Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Orçamento Comunitário. Carlos Moedas é o mais poderoso

© Hugo Correia / Reuters

A Comissão Europeia apresentou ontem a sua proposta para o orçamento comunitário após 2021 – 2027. São 1,279 biliões de euros para discutir ao pormenor nos próximos anos, até ficar definida a versão final do documento. Até lá, o Politico faz a lista dos 14 protagonistas com mais poder neste orçamento. “São maioritariamente conservadores e homens.” O primeiro é o português Carlos Moedas

No novo orçamento europeu para o período 2021–2027, há 1,279 biliões de euros para negociar ao tostão. A proposta de trabalho, apresentada ontem, por Bruxelas, prevê redução de verbas para a coesão e para a política agrícola comum e já foi contestada em Portugal. O Governo fala de um "mau começo", o CDS aponta "falta de ambição", o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa considera que é preciso lutar "por um melhor ponto de partida".

No momento em que os trabalhos à volta desta proposta começam e cada país tenta tirar o melhor partido possível dos dinheiros de Bruxelas, o Politico faz a lista das 14 pessoas com mais poder no orçamento comunitário e coloca o português Carlos Moedas, o comissário responsável pela pasta da investigação e inovação e pelo Horizonte 2020, o maior programa-quadro de sempre neste sector, à frente de todos.

No nome, já tem a palavra portuguesa moedas, destaca o jornalista Ryan Heath sobre este comissário português, da família do Partido Popular Europeu, antes de sublinhar que tem a seu cargo 100 mil milhões de euros para trabalhar a investigação e inovação, uma área decisiva para definir o crescimento futuro da Europa.

Pode ser ele "o grande vencedor" deste orçamento, onde está previsto um reforço de 30% no fundo que apoia à inovação. Na verdade, o aumento pode chegar aos 50% considerando a mesma base, depois de excluída a participação do Reino Unido. E se Moedas conseguir garantir tudo isto "no meio das negociações tortuosas que tem pela frente", será um "sinal de modernização significativa do orçamento comuntário", diz o Politico.

Mas Carlos Moedas também tem um papel diferente do de outros comissários com maiores linhas de financiamento, designadamente para a agricultura e política regional, refere o artigo. Ele tem uma ação mais direta na gestão das verbas e nas negociações com as maiores empresas, bancos, universidades e ministérios europeus.

E na teia de relações europeias, pode contar com o presidente francês Emmanuel Macron como um aliado do lado da inovação e com a chanceler alemã Angela Merkel como aliada na investigação. Mais: "Considerando o entusiasmo manifestado pelo Governo britânico no que respeita à cooperação na área da investigação no pós-Brexit, Moedas pode, também ser o autor de um novo modelo para uma relação estreita de trabalho com o Reino Unido.

No grupo dos 14 mais poderosos, ao seu lado, tem mais nove homens, três mulheres e um governo, como indica esta lista do Politico: do segundo ao 14º lugar dos mais poderosos no orçamento europeu estão: Mark Rutte, primeiro-ministro da Holanda, Gunther Oettinger (Alemanha), Comissário Europeu para o Orçamento e Recursos Humanos, Nadia Calvino (Espanha), diretora-geral responsável pela gestão do orçamento da União Europeia, Jean Arthuis (França), presidente da Comissão dos Orçamentos do Parlamento Europeu, Phil Hogan (Irlanda), Comissário Europeu da Agricultura e Desenvolvimento Rural, o Governo austríaco, que vai ter a presidência da UE entre julho e dezembro, Alexander Stubb (Finlândia), vice-presidente do Banco Europeu de Investimento, Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria, Donald Tusk (Polónia), presidente do Conselho Europeu, Jan Olbrycht (Polónia), membro do Parlamento Europeu e co-relator do MFF, Isabelle Thomas (França), membro do Parlamento Europeu e co-relatora do MFF, Martin Selmayr (Alemanha), secretário-geral da Comissão Europeia, e Corina Cretu (Roménia), Comissária Europeia para a Política Regional.