Siga-nos

Perfil

Expresso

Festival de Cinema de Berlim

«Lady Chatterley»: uma obra-prima inspirada em D. H. Lawrence

O «Panorama» exibiu o belíssimo «Lady Chaterlley», de Pascale Ferran. No «Fórum», «Nachmittag/Afternoon», de Angela Schanelec, comprova a vitalidade do novo cinema germânico.

Lady Chaterlley foi inexplicavelmente recusado em Cannes e Veneza no ano passado, estreou depois em França com um extraordinário acolhimento do público e da crítica (os «Cahiers du Cinéma» deram-lhe a capa), e passou agora em Berlim, na secção «Panorama». É um dos melhores filmes de 2006 e os seus direitos já foram adquiridos para Portugal. Trata-se de uma adaptação da segunda versão de «O Amante de Lady Chatterley», célebre romance de D.H. Lawrence. A partir dessa segunda versão, intitulada «Lady Chatterley and the Man of the Woods», Pascale Ferran constrói um filme hipersensível sobre os amores proibidos de uma aristocrata nos puritanos anos 20 ingleses. Lady Chatterley é um poço de sensualidade e erotismo, um hino ao amor livre, uma obra-prima absoluta. Traz-nos uma actriz, Marina Hands, em estado de graça. Está nomeado para nove Césares.

O «Fórum» também dá cartas e exibiu, até agora (Lady Chatterley à parte), o melhor filme da «Berlinale», Nachmittag/Afternoon, nova longa-metragem, vagamente inspirada em A Gaivota, de Tchekov. O filme foi realizado pela cineasta e actriz Angela Schanelec.

Na última edição do Expresso sublinhámos o valor desta nova vaga germânica, preocupada em analizar com rigor as crises de identidade na Europa e a dificuldade de comunicação entre os seres humanos.

Uma actriz de teatro de quarenta e poucos anos, Irene (interpretada pela realizadora), viaja para a sua casa de férias à beira de um lago. O seu irmão Alex e o seu filho Konstantin passam lá o Verão. Konstantin tem uma namorada que vive na casa do lado, Agnes. O amante de Irene, Max, chega à casa mais tarde e vai abalar tudo. As relações tornam-se tensas, especialmente entre mãe e filho. Tudo é fútil e extremamente complexo nos gestos e nas palavras das personagens da «afternoon» em que decorre o filme. O que resta no final é uma família destruída pela incompreensão.