Siga-nos

Perfil

Expresso

Pela Europa com 500 euros

Acampamento no aeroporto

Nada melhor que pernoitar no aeroporto para terminar em estilo esta viagem. A verdade, é que já não nos sobrava dinheiro suficiente para alugar um quarto.

Não percebo porque chamam a este sítio aeroporto de Frankfurt. Na realidade fica a cerca de 200 quilómetros do centro da cidade. Por alguma razão o preço do bilhete não chega sequer a quarenta euros. Como o primeiro «shuttle» não nos trazia a tempo do nosso voo, não tivemos outra solução senão pernoitar por aqui. É que o orçamento já não nos permite alugar um quarto nas redondezas. Nada melhor que isto para pôr fim à nossa jornada.

O último dia em Frankfurt foi dedicado à cultura. Como era a primeira quarta-feira do mês, a grande maioria dos museus abriu as portas gratuitamente. Nada melhor para dois viajantes que já andavam a contar os trocos e inventar coisas para fazer sem ter de gastar dinheiro. Deixámos a cidade há pouco, depois de um consistente jantar típico, aconselhado pela Laurence, que já sabia o que nos esperava esta noite.

Uma sesta no aeroporto

São agora cerca das duas da manhã e não somos os únicos a esperar (e desesperar) pelo «check-in», que só começa a partir das 4h30. Um pouco por todo o pequeno Aeroporto de Frankfurt-Hahn amontoam-se pessoas, muitas a dormir no chão. Os mais prevenidos trouxeram o saco-cama e ressonam (alguns bem alto) dentro dele… ideia que já ponderámos seguir.

A verdade é que ao fim de quase duas semanas a viajar pela Europa, com muitas privações no conforto, o cansaço abateu-se sobre nós. O frio deixou-nos um pouco febris nos últimos dois dias e o regresso a Portugal, e às nossas almofadas, nunca foi tão desejado como agora.

Uma aventura a repetir

Para trás ficam quatro cidades magníficas, onde conhecemos pessoas (e sofás!) que nos fizeram compreender o sentido das palavras “partilha” e “confiança”. No fundo, “somos todos simplesmente pessoas”, disse-me o «couchsurfer» de Amesterdão. É verdade e depois de uma viagem destas é fácil perceber o que ele queria dizer com isto.

Chegar a um país desconhecido e ter alguém à nossa espera é uma sensação maravilhosa. Alguém que mal nos conhece dar-nos para a mão a chave da sua casa era antes impensável na minha imaginação. Aceitar uma boleia combinada por e-mail também nunca estaria nos meus planos. Fazendo agora um breve apanhado, em menos de duas semanas conhecemos 21 pessoas, de sete nacionalidades diferentes. Bastou meter a mochila às costas e partir à aventura.

Se não têm dinheiro para fazer férias de luxo dou-vos agora um conselho: não compliquem. Basta passar umas boas horas na Internet e as opções surgem de diversas direcções. “O mundo é pequeno” (disseram-me vários «couchsurfers») e há sempre alternativas baratas que nos facilitam a vida… basta aprender a confiar.

Podemos chegar ao fim exaustos, a dever horas à cama, com o estômago a implorar por comida saudável, até mesmo com um par de botas a menos, mas valeu a pena. Asseguro-vos que valeu mesmo a pena.

VAMOS A CONTAS

Quanto custaram três dias em Frankfurt:

 

Primeiro dia

 
- Bilhete de metro: € 02,00
- Comprar comida no supermercado: € 08,95

- Salsicha no pão mais um refrigerante:

€ 04,10

- Cidra no bar irlandês:

€ 03,30

Segundo dia

 
- Subida à Main Tower: € 04,60
- Espetada de morangos com chocolate: € 03,00
- Uma pizza mais um refrigerante: € 05,10

- Bilhete de metro:

€ 02,00

- Capuccino:

€ 02,80

Terceiro dia

 

- Jantar típico de Frankfurt (prato principal e vinho de maçã), com oferta da refeição da «couchsurfer»:

€ 21,00

- Bilhete de metro:

€ 02,00
- Shuttle até ao aeroporto: € 12,00

- Avião Frankfurt-Porto:

€ 39,98
TOTAL dos três dias em Frankfurt: €110,83