Siga-nos

Perfil

Expresso

Caso BPP

BPP: João Rendeiro saldou três milhões de dívidas ao fisco

O fundador do Banco Privado Português garantiu ter regularizado as dívidas fiscais relativas à sua remuneração no banco, no montante de três milhões de euros.

O ex-banqueiro e fundador do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, disse hoje à agência Lusa ter pago as dívidas fiscais relativas ao seu salário à frente do banco, num valor que ronda os três milhões de euros.

O pagamento das dívidas fiscais refere-se à tributação sobre os rendimentos que João Rendeiro recebia enquanto presidia ao BPP, segundo fontes ligadas ao processo.

Segundo as mesmas fontes, João Rendeiro, apesar de ter optado por pagar o valor do seu próprio bolso, continua a considerar que é ao BPP que cabe pagar as dívidas, porque o acordo que tinha com o banco previa uma remuneração líquida.

Clique para aceder ao índice do DOSSIÊ CASO BANCO PRIVADO

Em Junho, em declarações à RTP, Rendeiro tinha admitido a possibilidade de vir a ser constituído arguido na sequência, afirmou, "de problemas de planeamento fiscal ligados às minhas remunerações".

A 23 de Julho o ex-presidente do BPP passou a ser o quinto arguido no âmbito do inquérito ao chamado "caso BPP", com as autoridades a aplicar-lhe como medida de coação o termo de identidade e residência.

Em causa estão suspeitas dos crimes de falsificação de documentos, burla qualificada, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

Em Junho, a Procuradoria-Geral da República confirmou o congelamento das contas de João Rendeiro, de Paulo Guichard e de Salvador Fezas Viltal - administradores do BPP - e afirmando, em comunicado, que "foram já adoptadas as medidas consideradas, nesta fase, adequadas e proporcionais a garantir a integridade patrimonial e a prevenir potenciais dissipações de património pelos presumíveis autores dos ilícitos criminais em investigação".

Rendeiro, o maior accionista e fundador do banco BPP, renunciou ao cargo a 28 Novembro de 2008, 15 dias após a agência de notação financeira Moody's ter revisto em baixa o 'rating' da instituição.