Siga-nos

Perfil

Expresso

Aumento de impostos

Jardim solidário mas contra subida dos impostos

Alberto João Jardim afirmou hoje que a Madeira está solidária com o "caminho" encontrado pelo Governo da República, mas discorda da subida dos impostos

O presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, discordou hoje do aumento dos impostos mas declarou que a Madeira está solidária com o "caminho" encontrado pelo Governo da República.

"No momento em que o País foi todo solidário com a Madeira nas dificuldades que passámos por causa da catástrofe, também a Madeira tem obrigação de partilhar, de convergir e cooperar na resolução das dificuldades do País, e, portanto, aqui estamos também para os sacrifícios que são necessários, de fato, o País fazer", disse o governante madeirense à entrada para a Presidência do Governo Regional.

"Nós temos, aqui, outras políticas mas foi este o caminho que foi, para já, encontrado, para conseguir resolver os problemas, eles existem, chegou-se aqui, eu tive políticas diferentes, nunca concordei com as políticas de Lisboa fossem do PS, fossem do PSD, agora, como se chegou ao momento em que não há outra saída - embora eu entenda que o aumento de impostos devia ser evitado e que se tem que ter mais atenção à economia e ao emprego - pode ser que este caminho leve a isso, não sei, tenho muitas dúvidas...", acrescentou.

"Juntos no sacrifício" 

Para Alberto João Jardim, no entanto, "uma questão é certa, há um momento de grandes dificuldades para o País e a Madeira vai participar, vai cooperar e vai ser solidária, mesmo contrariada porque não nos ficava bem que, depois da grande onda de solidariedade nacional que houve com a Madeira aquando da catástrofe de que fomos vítimas, nós, agora, dizermos que íamos nos pôr de fora".

"Neste caminho de sacrifício estamos todos juntos!", sublinhou.

O presidente do Governo Regional considerou que as políticas adotadas "são impostas pela União Europeia, políticas com as quais eu nunca concordei".

E explicou: "o problema das pessoas são o emprego e a economia, as finanças são meramente instrumentais, a economia e o emprego é que são decisivas para o bem-estar dos portugueses e é, aqui, que se tem de pôr o acento tónico".

Penalizar a economia e o emprego

Alberto João Jardim lembra que "o aumento dos impostos vai penalizar a economia e o emprego, o aumento dos impostos nada significa se não forem eliminados organismos que em Portugal são absolutamente desnecessários" e chama a atenção que "tem que haver investimento porque se não houver investimento público e privado nós não vamos sair deste círculo vicioso que - não há receitas não se resolve o défice, aumenta-se impostos porque se tem que resolver o défice".

"Isto são caminhos que, eu, como governante, nunca segui", concluiu.

***Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.