Siga-nos

Perfil

Expresso

Mundial - 2010

Jornalista espanhol assaltado responsabiliza FIFA (vídeo)

O espanhol Miguel Serrano, da "Marca", um dos três jornalistas hoje assaltados em Magaliesburgo, responsabiliza a FIFA pela insegurança. (Veja vídeo SIC) Clique para aceder ao dossiê Mundial-2010

O espanhol Miguel Serrano, um dos três jornalistas hoje assaltados por homens armados em Magaliesburgo, onde acompanham a seleção de Portugal no Mundial2010, responsabiliza a FIFA pelos problemas de segurança que possam surgir na prova. 

Clique para aceder ao índice do Dossiê Mundial-2010

"Não há segurança e, sobretudo, organização. A FIFA trouxe o Mundial para a África do Sul por motivos e pressões políticas e económicos. Muitas zonas do país não estão aptas a receber o Mundial com milhares de adeptos de todo o mundo, jornalistas, seleções, jogadores. Se abandonas as zonas seguras das cidades vai haver mais problemas. Vai haver incidentes todos os dias", prognosticou o jornalista do jornal espanhol Marca. 

Erro entregar o Mundial à África do Sul

O jornalista espanhol é perentório: "Creio que a FIFA cometeu um erro ao escolher a África do Sul. Pôs em causa a segurança de muita gente. Não é a do Blatter, Platini o Villar, dirigentes que ficam em hotéis de luxo, com Ferrari e toda a segurança. O Mundial é mais do que a FIFA, somos todos! Espero que não aconteça, mas vai haver mais problemas". 

Miguel Serrano dormia quando foi assaltado e foi acordado por António Simões, repórter fotográfico da Global Imagens, igualmente vítima dos assaltantes.

"Começou a bater no vidro a dizer 'roubaram-nos'. Estava muito nervoso. Acordei e vi que não tinha nada no quarto. Levaram-me a mala grande, outra pequena, mochila,  computador portátil, 4000 euros para a viagem, três telemóveis, cartões de transmissão de dados para Espanha. Deixaram-me com a roupa que trago no corpo e uns sapatos para lavar. Não deixaram absolutamente nada", contou. 

Quartos sem segurança

Miguel Serrano queixou-se de que "os quartos não têm segurança alguma, nem telefone para casos de emergência ou televisão para os jornalistas estarem informados sobre o Mundial", e recordou que António Simões "sentiu a pistola no corpo e foi amordaçado com a almofada". 

Passou medo, temeu pela sua vida", lamentou.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.