Siga-nos

Perfil

Expresso

Os dias de brasa no BCP

Berardo diz que "ninguém sairá vitorioso"

Joe Berardo foi um dos primeiros accionistas a chegar.

Joe Berardo afirmou hoje à entrada da Assembleia Geral do BCP que "ninguém sairá vitorioso porque o mal já está feito".

Com uma participação de 5,96% no BCP, o comendador Berardo acredita ser possível "a pacificação", mas admitiu que a assembleia geral de hoje poderá não ser definitiva.

"Vai haver as Assembleias Gerais necessárias até serem resolvidos os problemas", disse.

Reiterando a sua confiança no programa do presidente do BCP, Paulo Teixeira Pinto, Joe Berardo considerou que "a instabilidade é muito prejudicial ao banco".

"Jardim Gonçalves já se reformou . Deve ter a dignidade de sair pela porta da frente e deixar a juventude resolver o problema", afirmou.

José Miguel Judice, por seu lado, afirmou ainda esperar que "Paulo Teixeira Pinto tenha condições de governabilidade".

"Isto não é o Benfica-Sporting nem um debate político-partidário. Está em jogo uma instituição muito importante", disse o jurista, que representa o Banco Privado Português.

João Oliveira, presidente do BPA quando o BCP lançou uma OPA vitoriosa sobre o banco, diz ser necessária "uma terceira linha. O poder dos accionistas tem de definir uma autoridade estável dentro do banco".

Pedro Libano Monteiro admitiu ver "a situação do banco com preocupação". Assim, defendeu ser "importante trabalhar lá dentro para que o banco saia reforçado".