Siga-nos

Perfil

Expresso

Raul Solnado (1929-2009)

"Uma fábrica de rir", nas suas próprias palavras

Raul Solnado, 79 anos, estreou-se a 14 de Fevereiro de 1953, na revista "Canta Lisboa". A televisão trouxe-lhe "milhões de admiradores". Visite o especial dossiê Raul Solnado (1929-2009).

Raul Solnado, 79 anos, estreou-se a 14 de Fevereiro de 1953, na revista "Canta Lisboa", e afirmou em entrevista à Lusa, em 2002, ter-se tornado desde então "uma fábrica de rir".

Raul Augusto de Almeida Solnado nasceu em Lisboa, a 19 de Outubro de 1929, na Madragoa, bairro onde pela primeira vez pisou o palco, na Sociedade Guilherme Cossul.

O nome de Solnado foi-lhe dado pela família de uma expressão que ouvira na aldeia de Fundada (Tomar) - "Acordem que já é sol nado".

Desde o palco da Sociedade Guilherme Cossul, Solnado tornou-se primeira figura em diversas revistas do Parque Mayer, em Lisboa, ao lado de nomes como António Silva, Humberto Madeira, Vasco Santana entre outros, e de muitas comédias "que se mantinham em cartaz durante anos".

Actor de revistas, comédias, telenovelas e vários filmes, Solnado é, na opinião da actriz Alina Vaz, que várias vezes contracenou com ele, "uma das últimas vedetas a sério em Portugal".

"A guerra de 1914/1918" ou "É do inimigo?" tornaram Raul Solnado um nome de primeiro plano da cena portuguesa, popularidade que a televisão, através da série "Zip Zip" (1969), aumentou extraordinariamente.

A televisão trouxe-lhe "milhões de admiradores", como afirmou à imprensa, recordando outros êxitos de sua autoria, designadamente, "A visita da Cornélia" e "E o resto são cantigas" ou "Querido avô".

Alina Vaz que ao seu lado interpretou "Oh que delícia de coisa", no Teatro Villaret, disse à Lusa que o actor "era um homem com imensas histórias de casos e de acontecimentos, de emoções e sensibilidades do teatro".

Depois de concluir o Curso Comercial, em 1947, Raul Solnado começou a trabalhar no teatro amador, afirmando-se profissionalmente em 1953. A década de 1950 foi de ascensão, na opereta, na comédia, na revista e, a partir de 1956, também no cinema.

O ano de 1961 marcou o aparecimento do seu primeiro célebre monólogo - "A guerra de 1918" na revista "Bate o Pé", no Teatro Maria Vitória -, a que outros se seguiram, catapultando Solnado para o cume da fama, mercê, em grande parte, da larga difusão que a rádio deu a esses trabalhos, gravados em disco.

Em 1969 esteve na base, com Fialho Gouveia e Carlos Cruz, do memorável programa do historial da RTP "Zip Zip", onde assinou alguns "sketches" inesquecíveis.

Outro programa sempre recordado é "A Visita da Cornélia", que a RTP apresentou mais tarde e em que Solnado participou com o humor de sempre.

O actor actuou também no Brasil, em finais da década de 1950, com "largo sucesso" em vários programas de televisão e também em teatro.

Também como empresário - fundou e dirigiu o Teatro Villaret de 1964 a 1970 -, Raul Solnado deixou assinalada passagem pelo teatro, tendo promovido alguns dos mais importantes espectáculos da década de 1960.

O actor está ligado ao projecto da Casa do Artista, de que foi mentor, juntamente com o actor e encenador Armando Cortês, já falecido.

Em declarações à Lusa em 2007, Solnado recordou que foi o actor José Viana que o trouxe para o teatro. Em 1951, com José Viana fez o espectáculo "Sol da meia-noite", que se realizava no cabaré Maxime e que "revolucionou os espectáculos da noite", conforme recordou à Lusa.

A última vez que pisou o palco foi em 2001, no Teatro Trindade, na peça "O magnífico reitor" de Freitas do Amaral, em que contracenou, entre outros, com Rui Mendes e Ana Bustorff.

Em 2002, iniciou no Casino Estoril o projecto "Conversa à solta" em que recordava êxitos da sua carreira de mais de 50 anos, e com o qual percorreu vários palcos do país.

A telenovela "A ilha dos amores" foi a sua última participação na televisão, que contava no elenco com a sua neta Joana Solnado, em que contracenou, entre outros, com Sofia Alves e Elisa Lisboa.

Ao longo da carreira, Raul Solnado recebeu várias distinções e galardões, tendo um dos mais recentes sido a Pena de Camilo da Câmara de Vila Nova de Famalicão.