Siga-nos

Perfil

Expresso

Referendo sobre o Aborto

Aborto sim, mas talvez

'Sim’ à frente com 6 pontos de vantagem, mas com mais abstenção.

A projecção de resultados da sondagem em urna Expresso/Sic/Rádio Renascença/Eurosondagem aponta para a vitória do ‘sim’ no referendo de domingo por 53,1% contra 46,9%, muito embora se mantenha a dúvida sobre se a consulta será vinculativa: existem ainda 12,5% de indecisos e a abstenção situa-se em níveis muito altos, 43,3%.

A campanha parece estar a favorecer os partidários da despenalização do aborto, que registam um crescimento de 1,2% em relação ao inquérito telefónico de há 15 dias. O ‘sim’ avança praticamente em todas as faixas etárias com destaque para os eleitores entre os 18 e os 25 anos (56,7%) e só perde nos eleitores com mais de 60 anos, segmento em que o ‘não’ passa de 41,7 para 50,5%. Na distribuição regional o ‘sim’ triunfa nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto e no Sul do país, e regista ganhos sensíveis na difícil zona Norte, de 26,7 para 32,8%, e no Centro, de 35,8 para 40,2%. Para lá de uma irrelevante quebra no Centro (-0,1%), o ‘não’ progride em todas as frentes, com particular destaque para a expansão registada na Área Metropolitana de Lisboa e região Sul, de 25,4% para 28,6% e de 24,4% para 28%, respectivamente. Por sexos, a luta continua cerrada nos homens, com o ‘sim’ a liderar por 45,8% contra 43,3%, enquanto nas mulheres a diferença é já bastante apreciável: 48,6 a favor da descriminalização e 40,3% contra.

As acções de campanha estão a provocar um efeito de mobilização nos indecisos e de crispação nos abstencionistas. De facto, enquanto os primeiros recuaram de 21% para 12,5%, os segundos subiram dos 36% para os 43,3%. Entre os que não sabem se vão votar, o ‘sim’ domina com 59,1% e lidera em todas as faixas etárias e em todas as regiões, à excepção do Norte.

Estes resultados confirmam o prognóstico favorável ao ‘sim’ por uma diferença relativamente apertada que já se verificava na anterior sondagem Expresso/Sic/Rádio Renascença Eurosondagem. Esta é, aliás, a tendência antecipada em todos os estudos de opinião até agora publicados, embora por números bem mais favoráveis aos partidários da despenalização. Ainda em Janeiro, Marktest, Aximage e Universidade Católica antecipavam triunfos do ‘sim’ por números que oscilam entre os 59% e os 65%.

 

 

FICHA TÉCNICA

A sondagem, realizada pela Eurosondagem para o Expresso, SIC e Rádio Renascença foi efectuada de 1 a 5 de Fevereiro. Aos entrevistados foi apresentado um boletim, sendo-lhes solicitado que assinalassem nele a sua intenção de votar e de que modo no referendo do próximo domingo, e que o colocassem numa urna fechada.

O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental. Fora feitas entrevistas directas e pessoais, nas residências dos entrevistados, em 20 freguesias escolhidas de modo a que, no seu conjunto, o resultado verificado no referendo de 1998 se aproximasse do resultado nacional. Foram validadas 2059 respostas, que constituem a amostra, assim distribuídas: Minho, Douro e Trás-os-Montes (19,9%), Área Metropolitana do Porto (15,6%), Beiras, Estremadura e Ribatejo (29,9%), Área Metropolitana de Lisboa (24,4%), Alentejo e Algarve (10,2%). Desta forma resultou, em termos de sexo: feminino 51,9% e masculino 48,1%; e no que concerne à faixa etária: dos 18 aos 25 anos, 13%; dos 26 aos 20, 2%; dos 36 aos 45, 19,8%; dos 46 aos 59, 21,5%; e mais de 60, 25,5%. O erro máximo da amostra é de 2,16% para um grau de probabilidade de 95%.