Siga-nos

Perfil

Expresso

Presidência Portuguesa da UE

Europa quer mulheres mais fortes

Sexos diferentes com oportunidades iguais é o único caminho para Europa competir com o resto do mundo.

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

"A igualdade de oportunidades na Europa é essencial para a competição com o resto do mundo", disse o comissário europeu para o Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades, Vladimir Spidla, nas declarações à imprensa que tiveram lugar hoje no final da tarde, em Lisboa, a seguir à Reunião Informal de Ministros para a Igualdade de Género.

A reunião terminou com a assinatura da segunda declaração do Trio de Presidências (Alemanha, Portugal, Eslovénia)- Em direcção à igualdade de sexos na União Europeia - no contexto da Estratégia de Lisboa, um documento centrado na questão da igualdade das mulheres e dos homens na Estratégia de Lisboa para o emprego e crescimento.

As 30 delegações presentes na reunião trabalharam nas três vertentes da empregabilidade, empreendedorismo e conciliação. Como explicou o Ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, "esta declaração traduz a vontade política de valorizar as questões do género na Estratégia de Lisboa" e reforça o compromisso de um programa com uma lógica de continuidade a 18 meses.

O trabalho prévio a esta reunião focou-se nas questões relacionadas com o empreendedorismo das mulheres, o aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho tendo em conta as necessidades de conciliação entre a vida profissional, familiar e pessoal de mulheres e homens, partindo da análise transversal dos estereótipos de género que condicionam as escolhas profissionais e pessoais de ambos os sexos.

Pedro Silva Pereira referiu que o cumprimento das metas de emprego das mulheres é muito importante mas que é preciso atender à qualidade do emprego já que, disse, "as mulheres ainda são vítimas de precaridade do trabalho e discriminação salarial". Mas para o este ministro, a questão da conciliação "é a mais importante para as políticas da igualdade de género, de apoio à família.

O comissário Vladimir Spidla declarou ser "muito claro que sem oportunidades iguais não há possibilidade de alcançar as metas da Estratégia de Lisboa" e apelou a todos os Estados-membros para que utilizem os fundos estruturais de todas as formas possíveis para criar igualdade entre os géneros.