Siga-nos

Perfil

Expresso

Óscares 2007

A noite de Scorsese

Scorsese foi o grande triunfador de uma noite de Óscares mágica, como há muitos anos nos não se via.

Com quatro Óscares – Melhor Filme, Melhor Realização, Melhor Montagem e Melhor Argumento Adaptado – «The Departed – Entre Inimigos» de Martin Scorsese foi o grande triunfador de uma noite de Óscares mágica, como há muitos anos nos não lembramos. Mérito de uma produção que soube renovar uma cerimónia com pouquíssimos graus de liberdade, mas a que se conseguiu insuflar diferenças significativas face ao padrão usual – o menor dos quais não terá sido a prestação da apresentadora, Ellen DeGeneres , num estilo descontraído e surpreendente, descendo à plateia do Kodak Theatre, interagindo directamente com a plateia, praticando um humor sem alfinetadas. O grande mestre do cinema americano Martin Scorsese teve ainda o prazer de ver o seu prémio ser entregue por um triunvirato do peso – Francis Ford Coppola, George Lucas e Steven Spielberg – os outros três mosqueteiros de uma geração de cineastas que, a partir da segunda metade dos anos 60, mudou em absoluto a face de Hollywood.

«The Departed – Entre Inimigos» foi a marca mais visível do cinema americano nessa noite em que, para surpresa de muitos, houve prémios para diversos países, até em categorias onde, usualmente, a supremacia americana costuma ser incontestada. Estão neste caso os Óscares ganhos por esse prodígio da indústria espanhola que é «O Labirinto do Fauno» em domínios como a maquilhagem ou a cenografia, êxitos que marcam uma mudança relevante.

No campo dos actores, anote-se que os filmes em que triunfaram, como era esperado, Helen Mirren e Forest Whitaker são ambos produções britânicas. De fora das estatuetas ficou esse grande senhor irlandês que dá pelo nome de Peter O’Toole.

A atitude da Academia em tornar-se abrangente do ponto de vista do olhar que lança sobre o cinema ficou ainda bem patente quer no Óscar Honorário que atribuiu este ano – ao lendário compositor italiano Ennio Morricone – quer ao facto de ter dedicado uma das suas sequências especiais à rememoração dos filmes a quem atribuiu ao longo dos anos, os galardões dedicados aos filmes em língua estrangeira, um dos momentos altos da cerimónia onde foi possível entrelaçar obras de Fellini e Kurosawa, De Sica e Truffaut, Fellini e Almodóvar, Mikhalkov, Jirí Menzel, Schlöndorff e tantos outros.

 

PALMARÉS

MELHOR FILME

«The Departed — Entre Inimigos»

MELHOR REALIZAÇÃO

Martin Scorsese («The Departed — Entre Inimigos»)

MELHOR ACTOR PRINCIPAL

Forest Whitaker («O Último Rei da Escócia»)

MELHOR ACTRIZ PRINCIPAL

Helen Mirren («A Rainha»)

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO

Alan Arkin («Uma Família à Beira de Um Ataque de Nervos»)

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA

Jennifer Hudson («Dreamgirls»)

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

«Happy Feet» de George Miller

MELHOR FILME EM LÍNGUA NÃO-INGLESA»

«As Vidas dos Outros» de Florian Henckel von Donnersmarck (Alemanha)

MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL

Michael Arndt («Uma Família à Beira de Um Ataque de Nervos»)

MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO

William Monahan («The Departed — Entre Inimigos»)

MELHOR DIRECÇÃO ARTÍSTICA

Eugenio Caballero e Pilar Revuelta («O Labirinto do Fauno»)

MELHOR FOTOGRAFIA

Guillermo Navarro («O Labirinto do Fauno»)

MELHOR MONTAGEM

Thelma Schoonmaker («The Departed — Entre Inimigos»)

MELHOR GUARDA-ROUPA

Milena Canonero («Marie Antoinette»)

MELHOR MÚSICA

Gustavo Santaolalla («Babel»)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

Melissa Etheridge – canção "I Need To Wake Up" («Uma Verdade Inconveniente»)

MELHOR CARACTERIZAÇÃO

David Martí e Montse Ribé («O Labirinto do Fauno»)

MELHOR MONTAGEM DE SOM

Alan Robert Murray e Bub Asman («Cartas de Iwo Jima»)

MELHOR SOM

Michael Minkler, Bob Beemer e Willie D. Burton («Dreamgirls»)

MELHORES EFEITOS VISUAIS

John Knoll, Hal T. Hickel, Charles Gibson e Allen Hall («Piratas das Caraíbas: O Cofre do Homem Morto»)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

«Uma Verdade Inconveniente» de Davis Guggenheim

MELHOR DOCUMENTÁRIO / CURTA-METRAGEM

«The Blood of Yingzhou District» de Ruby Yang e Thomas Lennon

MELHOR CURTA-METRAGEM / ANIMAÇÃO

«The Danish Poet» de Torill Kove

MELHOR CURTA-METRAGEM / ACÇÃO REAL

«West Bank Story» de Ari Sandel

ÓSCAR HONORÁRIO

Ennio Morricone

PRÉMIO JEAN HERSHOLT

Sherry Lansing