Siga-nos

Perfil

Expresso

Desaparecimento de Madeleine McCann

Maddie poderá ter estado num carro de amigos dos McCann

Se for provado que Madeleine esteve realmente num automóvel de conhecidos da família, sem que isso alguma vez tenha sido admitido, as atenções passarão a recair num grupo até agora longe de suspeitas.

Os cães pisteiros ingleses que há pouco mais de uma semana detectaram vestígios de sangue no quarto de Maddie, bem como odor a cadáver, também encontraram elementos biológicos num carro de amigos dos McCann. Se o ADN encontrado for da menina de quatro anos as investigações poderão sofrer uma volta de 180º.

Os resultados das amostras que estão a ser analisadas num laboratório em Birmingham serão conhecidos no decorrer da próxima semana, na mesma altura em que serão divulgados os resultados das amostras de sangue encontrado no apartamento dos McCann na Praia da Luz.

Segundo declarações feitas ao jornal “Correio da Manh㔠as autoridades responsáveis pelas investigações admitem a possibilidade real de, conforme os resultado das análises, poderem vir a ser constituídos novos arguidos ou até serem feitas detenções.

Maddie pode ter sido transportada morta

Estes avisos vêm na sequência das buscas intensivas feitas durante a semana passada aos automóveis de Robert Murat, dos McCann e aos amigos que acompanharam os pais de Maddie nas férias algarvias. Supõe-se ter sido num destes carros que foram encontrados os vestígios que poderão, ou não, ser da menina inglesa de quatro anos.

A PJ a começou assim a encarar a hipótese de Madeleine ter sido transportada naquela viatura já depois da sua morte. As autoridades, contudo, não adiantaram a quem pertence o referido automóvel.

O “Correio da Manh㔠reforça ainda que a tese de assassinato no apartamento nunca foi tão forte como agora e as provas mais recentes, quando cruzadas entre si, começam a apontar para o círculo de amigos dos McCann. Perante estes novos desenvolvimentos a cooperação entre autoridades britânicas e portuguesas está a revelar-se cada vez mais importante.

PJ espera resultados antes de receber os McCann

Os McCann foram entretanto acusados de estarem a pagar a estadia no Algarve com dinheiro vindo do fundo para procurar Madeleine, uma vez que ambos estão a gozar uma licença sem vencimento.

Acusações que Gerry recusa totalmente no seu blogue: “Estamos alojados numa moradia modesta e não numa vivenda luxuosa, como foi dito pela imprensa portuguesa, que não tem piscina e que foi das mais baratas que encontrámos”.

Depois de já terem admitido que poderão regressar em breve ao Reino Unido, os McCann desesperam por novos desenvolvimentos nas investigações do desaparecimento da filha mais velha, especialmente porque a PJ já garantiu que só irá receber a família inglesa depois de ter na sua posse os resultados das análises aos vestígios biológicos.

Gerry é a voz do desespero paternal: “Obviamente que estamos desesperados por uma novidade na investigação e estamos sempre a perguntar-nos o que ainda pode ser feito para encontrar Madeleine”.

Quem é quem:

Dianne Webster: É a pessoa mais velha de um grupo de 12 com quem os McCann passavam férias. Controladora de crédito de profissão é a única de todas as testemunhas a afirmar que cada casal ficava unicamente responsável pelos próprios filhos, não entrando nos apartamentos uns dos outros.

Fiona: É filha de Dianne e casada com David há sete anos com quem tem dois filhos. Foi a organizadora da viagem.

David: Grande amigo de Russel O´Brian – outro membro do grupo. Depois de se terem conhecido na universidade Russel foi padrinho de casamento de David e Fiona.

Russel O´Brian: Casado com Jane Tanner de quem tem dois filhos.

Jane Tanner: É considerada uma testemunha chave, uma vez que afirma ter visto às 21:10 de dia 3 de Maio um homem suspeito com uma criança ao colo. Na mesma rua e à mesma hora estava também Gerry McCann a conversar com o amigo Jeremy. Ambos negam ter visto Jane ou o homem com a criança ao colo.

O grupo inclui ainda Rachel (advogada) e Matthew Oldfield (médico) que têm uma filha de 18 meses. Matthew foi colega de Gerry MacCann e tem pendente um processo de negligência médica.