Siga-nos

Perfil

Expresso

José Saramago (1922-2010)

Reacções à morte de José Saramago

A morte de Saramago é lamentada por personalidades das mais diversas áreas

Várias figuras públicas das letras e da política comentaram hoje a perda do escritor português. Clique para aceder ao dossiê José Saramago (1922-2010).

"Não estava à espera. Ainda hoje estive com o número de telefone para lhe ligar mas disse 'telefono mais logo' e agora soube desta notícia assim", Otelinda Nunes, amiga de infância de José Saramago

"Não há dúvida de que Portugal fica mais pobre com o seu desaparecimento. Ele deixa uma obra notável. Foi uma personalidade muito marcante, controversa, até, mesmo do ponto de vista político, o que só ajuda a enaltecer, de alguma forma, a sua participação cívica", Pedro Passos Coelho, presidente do PSD

"É talvez o escritor português que maior repercussão teve - e teve repercussão em todo o mundo: em todo o mundo é conhecido, em todo o mundo é escutado. Eu, pessoalmente, perdi um amigo,  Zeferino Coelho, editor de José Saramago

"Saramago foi muito importante pelo modo generoso como recebeu os novos autores e como sempre me tratou, com grande atenção e generosidade", Gonçalo M. Tavares, escritor

"A obra de Saramago é cheia de curiosidade, de desejo, de perguntas

e de angústias e de uma profundidade única sobre a sociedade portuguesa da qual os franceses se sentem tão perto e estão todos agarrados", Bernard Kouchner, ministro dos Negócios Estrangeiros e Europeus de França

"A sua obra tem pontos de maior controvérsia e outros de enorme grandeza. Seguramente no futuro permanecerão aqueles trabalhos menos polémicos, de mais profundidade e até os mais simples", Jaime Gama, presidente da Assembleia da República.

"Quando em 2009, a última vez que com ele estive pessoalmente, na " câmara de Lisboa, tive a grande emoção de lhe ouvir palavras sinceras de grande estima, com que teve a generosidade de me distinguir e que eu, plenamente quero retribuir aqui, em sua homenagem póstuma", Jorge Sampaio, antigo Presidente da República.

"É evidente que a simples atribuição do prémio Nobel é a consagração

universal e a qualidade de sócio de honra da Academia de Ciências, que lhe foi atribuída nessa altura, é extremamente rara em Portugal", Adriano Moreira, presidente da Academia das Ciências de Lisboa

"Acho que devia ir para o Panteão Nacional. Acho que o Estado português

deveria decretar luto nacional. Justifica-se porque era um português ilustríssimo", Mário Soares, ex-Presidente da República.

"Perdemos não apenas o maior escritor português, mas uma referência luminosa de dignidade e grandeza à escala universal", José Manuel Mendes, presidente da Associação Portuguesa de Escritores

"É uma figura indiscutivelmente maior das nossas letras. Saramago vai durar o que durar a literatura portuguesa", Mário Cláudio, escritor

"José Saramago não tinha ódio a Portugal. Tinha era um grande confronto com a secretaria de Estado da Cultura", João Céu e Silva, jornalista

"Não era um homem de sorrisos. O acto de maior conciliação com Portugal, foi terem-lhe cedido a casa dos bicos para a Fundação. Quando foi visitar a obra, esteve aí uma hora com um sorriso nos lábios", João Céu e Silva, jornalista 

"José Saramago é um dos grandes vultos da cultura portuguesa e representa uma perda para a cultura portuguesa", José Sócrates, primeiro-ministro

"Saramago obriga-nos ao lugar comum e o lugar comum é este: é um escritor que mudou a literatura portuguesa e é um escritor que pôs a literatura portuguesa na cena internacional", Carlos Reis, reitor da Universidade Aberta

"Era muito atento aos escritores mais jovens e eram um homem sem prosápia ou vaidade de grande senhor. Foi um homem a quem o sucesso nunca subiu à cabeça, portou-se com a mesma modéstia e elevação de sempre", Mário de Carvalho, escritor

"Por ventura o nosso maior escritor do século XX, que tem a particularidade de ser um século mais rico no tocante ao romance português", Mário de Carvalho, escritor

"Escritor de projecção mundial, justamente galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, José Saramago será sempre uma figura de referência da nossa cultura.  Em nome dos Portugueses e em meu nome pessoal, presto homenagem à memória de José Saramago, cuja vasta obra literária deve ser lida e conhecida pelas gerações futuras", Cavaco Silva, Presidente da República

 "Foi o intelectual português que mais amou e compreendeu o Brasil", Lygia Fagundes Telles, escritora, vencedora da edição 2005 do Prémio Camões

"É uma perda para o país, até porque Saramago, goste-se ou não da obra, é um símbolo da identidade nacional. É fundamental que lhe prestemos as devidas homenagens e que nos lembremos que José Saramago conseguiu um feito inesquecível, que foi o Prémio Nobel da Literatura", Diogo Infante, actor e encenador

"Foi um homem que afirmou a sua criação literária através da liberdade de pensamento", Gabriela Canavilhas, ministra da Cultura

"Dele recordo, tanto como os livros inesquecíveis, os momentos partilhados, quanto nos aproximou sempre para lá das diferenças. Saramago foi e será uma referência universal da grandeza e do desassombro, estimulando o espírito critico, a bondade e a decência, a insubordinação cívica, o humanismo e a força transformadora da liberdade, mesmo nas circunstâncias mais rudes, quando parece dar-se um eclipse da própria esperança", Manuel Alegre, candidato do PS à presidência da República

"Os portugueses, a quem deu alegrias, interrogações, raízes para a vida, sentem o luto profundo da sua perda, ainda que cientes, como os leitores de todas as partidas onde a sua luz mora, de que uma personalidade assim, em rigor, nunca morre", Manuel Alegre, candidato do PS à presidência da República

"Estamos muito abalados, eu tinha-o visitado na semana passada, em casa, em Lanzarote, ele estava fraco mas muito calmo, e foi um encontro muito belo, que nunca mais esquecerei"; "Perdemos um amigo, um grande autor, que era um autêntico farol para nós, um orientador em tempos difíceis", Nicole Witt, agente literária de José Saramago na Alemanha

"É o mais firme herdeiro da larga tradição do iberismo português. Poucos como ele, amaram e conheceram tão profundamente as nossas duas culturas", Carmen Caffarel , directora do Instituto Cervantes

"Portugal e a Cultura Portuguesa perderam um dos seus melhores representantes. Um homem e um intelectual de convicções que honrou Portugal e o Mundo", Fernando Nobre, presidente da AMI, candidato à Presidência da República

 "Saramago é um dos principais escritores da literatura universal e da língua portuguesa, com uma escrita de grande qualidade", João Paulo Borges Coelho, escritor moçambicano, detentor do Prémio Leya 2009

"Será sempre recordado como um dos maiores escritores da língua portuguesa e da literatura mundial", Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia

"Saramago ainda tinha muito que fazer, para nos dar. Meus Deus, ele foi muito cedo!", Paulina Chiziane, escritora moçambicana

"A figura de Saramago teve uma influência muito grande e reinvidicou a literatura portuguesa contemporânea", Vincenç Villatoro, escritor e jornalista espanhol

"A sua perda é recebida com muita tristeza, particularmente pelos que têm apreço pela língua portuguesa e por sua importância cultural em tantos continentes", Juca Ferreira, ministro brasileiro da Cultura

"Saramago foi um inovador, porventura incompreendido em determinadas fases da sua vida e obra, mas um mestre", Carlos César, presidente do Governo Regional dos Açores