Siga-nos

Perfil

Expresso

Eleições no Reino Unido

Eleições em Inglaterra: Mais a votar

A subida da participação numa população descontente dá alento aos partidos

Cathal McNaughton/Reuters

Membros das assembleias de voto de Londres estão satisfeitos com a participação. BBC e jornais noticiam o mesmo pelo país fora. Clique para aceder ao índice do dossiê Eleições em Inglaterra.

Pedro Cordeiro (enviado a Londres)

Num périplo por várias assembleias de voto em Londres, o Expresso tem dado conta de uma participação superior à das últimas eleições gerais (2005, com 49% de abstenção). De Holborn & Saint Pancras a Old Southwark & Bermondsey, passando pelas Cities of Westminster & London, os membros das assembleias de voto dizem que há mais gente a votar.

Clique para aceder ao índice do dossiê Eleições em Inglaterra

A subida da participação numa população descontente dá alento aos partidos, sobretudo aos que não são trabalhistas nem conservadores. O representante dos liberais-democratas em Old Southwark & Bermondsey espera que isso ajude o partido a manter o deputado que tem naquela circunscrição. Adepto de Nick Clegg, que defendeu uma amnistia para os imigrantes ilegais sem cadastro criminal, é com espanto que ouve um eleitor dizer ao jornalista: "O problema deste país é que há pouco trabalho para quem devia ter direito a ele. E tudo por causa dos que vêm de fora. Não é justo".

Na opinião deste homem de meia idade, só os conservadores de David Cameron devolverão aos britânicos "o que é seu". Estas palavras fazem parar outra eleitora, para quem "o ideal é que o Governo não mude".

Não só de três partidos se faz uma eleição

Face à desilusão do eleitorado com os principais partidos, outros esperam a sua vez. O Partido da Independência do Reino Unido (Ukip, com 13 eurodeputados), contrário à União Europeia, desafiou o speaker do Parlamento, John Bercow, candidatando o seu líder, Nigel Farage, em Buckingham. Farage sofreu, esta manhã, um ligeiro acidente de aviação, num ultraleve, mas está bem. O seu porta-voz afirma que "até já fumou um cigarro".

Também eurocéptico mas mais à direita e abertamente xenófobo, é o Partido Nacional Britânico, que até há pouco só aceitava militantes brancos. O seu chefe, Nick Griffin, aspira ao lugar de deputado por Barking, a leste de Londres. E o partido poderá dominar o concelho local.

Se os nacionalistas escoceses, norte-irlandeses e galeses procuram, acima de tudo, ter vozes suficientes em Westminster para influenciar a governação - sobretudo no caso provável de não haver maioria absoluta -, os verdes querem estrear-se na Câmara dos Comuns elegendo a sua líder, Caroline Lucas, em Brighton. As sondagens dizem que é possivel .