Siga-nos

Perfil

Expresso

Corrida à liderança social-democrata

Jardim fora da corrida à liderança do PSD

Alberto João Jardim marcou uma conferência de imprensa amanhã para anunciar a decisão, mas segundo fontes próximas nem deverá ir ao Congresso.

Sara Moura, na Madeira

Alberto João Jardim deve confirmar amanhã que não está disponível para se candidatar à liderança do PSD. A decisão do presidente dos social-democratas madeirenses, que será divulgada oficialmente amanhã, numa conferência de imprensa na sede regional do partido, foi tomada depois de perceber que não reunia apoios suficientes para garantir, à partida, a maioria das preferências dos militantes.

Apesar de ter mantido o "tabu" durante várias semanas, Jardim foi deixando, aqui e ali, indicações de que não estavam reunidas as condições impostas para avançar. Primeiro, pediu uma união de todas as candidaturas para derrotar Manuela Ferreira Leite, mas nem Santana Lopes, nem Pedro Passos Coelho foram sensíveis ao pedido. "Não estou disposto a ir no meio daqueles cacos todos", justificou na altura.

Depois, o social-democrata madeirense não escondeu ter ficado desiludido com a formalização da candidatura de Santana Lopes, sentindo-se mesmo, segundo fontes próximas, "traído", com a forma como Santana conduziu o processo.

Agora, mesmo depois de ter conseguido as "tropas" que disse não ter, quer através do apoio de importantes distritais, quer numa recolha de assinaturas a favor da sua candidatura, Jardim deverá recuar nas intenções de concorrer à liderança do PSD.

Hoje, num acto público realizado na vila de São Vicente, Norte da Madeira, o presidente do Governo Regional não escondeu o desalento em relação à classe política continental: "Eu não estou para aturá-los também em Lisboa".

Esta decisão terá já sido confidenciada a Luís Filipe Malheiro, figura destacada do PSD-Madeira e pessoa próxima de Jardim, que hoje, no seu blog pessoal (http://ultraperiferias.blogspot.com), confirmava a decisão de Alberto João "não se envolver na corrida pela liderança do partido".

Segundo a mesma fonte, Jardim não só não se candidata, como deverá proibir que qualquer militante madeirense se vincule a um dos nomes que está na corrida. "Este distanciamento face a todas as candidaturas (...) leva-me a deduzir, como cenário bastante provável, mas obviamente sem confirmação, que o líder madeirense não se desloque sequer a Guimarães", escreve Malheiro.