Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Sócios da Mota-Engil investigados na Argentina por suspeitas de corrupção

A ex-presidente Cristina Kirchner foi ouvida em tribunal no início de agosto. Mas, remeteu-se ao silêncio, entregando uma declaração escrita ao juiz

MARCOS BRINDICCI/reuters

Lava Jato argentino entra na segunda fase. Quarenta empresas estão sob investigação judicial, implicadas por um dos participantes no esquema. Da lista constam as construtoras que se aliaram à Mota-Engil no consórcio que venceu uma empreitada rodoviária

Os parceiros locais da Mota-Engil no consórcio que ganhou uma obra rodoviária na Argentina surgem agora mais pressionados na investigação que revelou o maior caso de corrupção da história do país. Uma das peças-chave, o financeiro Ernesto Clarens, não só confessou a sua participação no esquema como entregou à Justiça uma lista de dezenas empresas que pagariam subornos.

A lista inclui a JCR e a Rovella Carranza, as duas construtoras que, juntamente com a Mota-Engil, integram o consórcio vencedor da construção e concessão, em regime de Parceria Público-Privada (PPP), de um corredor rodoviário (247 km) que inclui a ligação de Buenos Aires ao aeroporto.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido