Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Base das Lajes. A nova vida do Bairro Americano

Bairro Americano perto da Base das Lajes, na Terceira. O Governo dos Açores oferece 300 moradias para os quadros das empresas tecnológicas que investirem na ilha

FOTO Rui Caria

A grande escola e 300 das 400 moradias que alojavam os militares americanos da Base das Lajes e as suas famílias, vão receber empresas tecnológicas e os seus quadros que venham morar para a ilha Terceira. O projeto é do Governo Regional dos Açores e chama-se Terceira Tech Island

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

Era uma espécie de enclave dos EUA na ilha Terceira, nos Açores, um condomínio fechado com muros e gradeamentos e moradias amplas com jardim e vista para o mar, tipicamente americanas – grande cozinha, lavandaria no primeiro andar, ventoinhas no teto em todas as divisões, tomadas elétricas de 110 volts em vez dos 220 volts portugueses. Há moradias T2, T3 e T4, dimensões que eram atribuídas de acordo com a patente militar. Festejava-se o Halloween, o Dia de Ação de Graças, o 4 de julho (aniversário da independência dos EUA). E a escola era frequentada por alunos da pré-primária à universidade.

Em setembro de 2017, a última centena de moradores abandonou o Bairro Americano. São os militares da Força Aérea dos EUA que ainda hoje trabalham na Base das Lajes, depois do processo de redução drástica da sua atividade iniciado em 2015. Passaram a receber um subsídio de renda e vivem em casas por toda a ilha. A base chegou a ter mais de 2000 militares americanos e de 2000 trabalhadores portugueses. Hoje são apenas 169 militares americanos e 410 civis. E há ainda a Base Aérea nº4, portuguesa, com 290 militares e 80 civis.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)