Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Preços das casas vão continuar a subir

A generalidade dos operadores do mercado imobiliário garantem que ainda é cedo para dizer que estamos a viver uma bolha especulativa

Luís Barra

Não vai ser tanto como até agora, mas enquanto houver mais procura que oferta, os preços vão mesmo continuar a subir. Resta saber se já atingimos o limite e já estamos a viver uma bolha imobiliária que pode rebentar a qualquer momento. Os imobiliários dizem que não… pelo menos por agora

Ana Baptista

Ana Baptista

Jornalista

Os preços das casas vão continuar a subir, pelo menos nos próximos três anos. O centro de Lisboa já estará perto de atingir o limite, porque foi onde os valores mais cresceram até agora, mas no Porto ainda há margem para aumentar, porque “o interesse começou mais tarde”. E o mesmo se passa nas periferias destas cidades - por exemplo Amadora, Odivelas, Gaia ou Matosinhos - e até em cidades secundárias e no interior do país, para onde está a começar a haver mais procura. O lado bom é que a subida não vai ser tanto como até agora e, gradualmente, os preços devem mesmo começar a estabilizar.

Enquanto a procura for maior que a oferta, esta é a opinião consensual da maior parte dos agentes do mercado imobiliário e até de economistas e entidades financeiras. Aliás, ainda esta semana, a Standard & Poors (S&P) divulgou um relatório onde estima que os preços vão subir 9,5% este ano mas que nos próximos anos - em 2019, 2020 e 2021 - vão aumentar menos, respectivamente, 7%, 6% e 5% (leia mais sobre este tema na edição impressa deste sábado).

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)