Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Governo de João Lourenço anula negócio de aviação que envolvia um irmão e os chefes da Casa Civil e da Casa Militar

getty

O modelo de parceria público-privada criado no tempo da governação do anterior Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, acaba de sofrer novo revés, com a anulação do contrato para aquisição de seis aeronaves assinado entre um novo operador de transporte aéreo angolano, Air Conection Express, e a empresa canadiana Bombardier

Gustavo Costa

Correspondente em Luanda

O ministro angolano dos Transportes, Ricardo Viegas Abreu, extinguiu a comissão encarregada de montar o consórcio para a compra de seis aviões do tipo Bombardier Q400, fazendo cair assim por terra uma operação que ia levar o Estado a aplicar 180 milhões de dólares para servir maioritariamente interesses de entidades privadas.

A situação tornou-se ainda mais embaraçosa para o chefe do Estado angolano depois de se ter descoberto que, entre os participantes no negócio, figuravam dois funcionários destacados da Presidência da República (o chefe da Casa Militar, general Pedro Sebastião, e o chefe da Casa Civil, Frederico Cardoso) e um irmão do Presidente, o general Sequeira Lourenço.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)