Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

NOS Primavera Sound: E, ao terceiro dia, Nick Cave ressuscita

Nick Cave toca no palco NOS sábado às 22h05

ALEJANDRO GARCIA/epa

Além dos Bad Seeds, Arca, Metá Metá, Mogwai, The War on Drugs, Nils Frahm, Kelela, Jay Som ou Talaboman são algumas sugestões para sábado, o último dia do festival

Texto Paulo André Cecílio

Quando Nick Cave pisar o palco principal do NOS Primavera Sound, no Parque da Cidade, no Porto, estaremos na presença de um homem bastante diferente daquele que fez exatamente isso, em 2013, aquando da sua primeira passagem pelo festival portuense. Será inevitável falar do sofrimento que foi forçado a experienciar devido à morte do seu filho Arthur, de apenas 15 anos, pouco tempo depois. Afinal de contas, não há, diz a sabedoria popular, maior dor do que a de um pai que perde um filho. Será essa a cruz que Cave terá de passar a carregar ao longo da sua vida, uma dor ainda mais incomportável que a do vício em heroína, nos anos 80, ou que aquela provocada pelo desgosto amoroso, nos anos 90, com o final da sua relação com PJ Harvey. Poderá dizer-se que foi através desta cruz que Cave amadureceu realmente ou, melhor, que foi ela que provocou a sua ressurreição.

“Skeleton Tree”, o álbum que virá apresentar ao Porto e que aborda de forma íntima, quase chocante, essa tragédia familiar foi apenas o primeiro passo; o regresso completo de Nick Cave ao mundo dos vivos deu-se após o lançamento desse disco, com os espetáculos que foi dando em todo o mundo, com a forma com que foi abraçando o público que o abraçou a ele quando mais precisou. Se o músico australiano era, anteriormente, um entertainer, ainda que de uma forma marcadamente mais poética daquela que é habitual nesta profissão, hoje em dia passou a ser Humano — H maiúsculo não para o separar de todos, mas para o englobar em todos. Não é mais um contador de histórias escabrosas, de faca e alguidar, e sim alguém que sofreu, sofre e sofrerá, com o outro, connosco. É Nick Cave, não o mito do período pós-punk e o autor de temas como 'The Mercy Seat', mas sim a pessoa, o pai, o confidente. Ou a prova de que é possível celebrar a vida depois da morte.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Como voltar a ser feliz no Porto

    Isto acontece junto ao mar que por sua vez está junto ao rio que por sua vez estão junto à relva que por sua vez está unida à música: o Primavera Sound, que é um festival de música mas também uma experiência romântica, começa esta quinta-feira e vai até sábado no Parque da Cidade do Porto. Explicamos o que traz o primeiro dia e como o traz - e porque é possível voltar a ser feliz por ali