Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

Sporting afunda no "batatal" do Bessa

Relvado em muito mau estado e leões sem ideias para conseguir furar a defesa do Bessa. Peter Jehle foi a figura da partida.

Ricardo Capela

O Sporting não aproveitou o empate do Benfica em Setúbal e perdeu no Bessa, com o Boavista (2-0). No "batatal" do Bessa, aos leões não faltou atitude, mas as ideias para ultrapassar a defesa boavisteira ficaram em Lisboa. Além disso, os verde-e-brancos tiveram pela frente um guarda-redes inspiradíssimo - Peter Jehle.

A primeira parte foi mais amorfa do que a segunda e, quando tudo previa que o intervalo chegasse com um "natural" nulo no marcador, Marcelão fez o primeiro golo da partida. Canto de Jorge Ribeiro, desvio de Ricardo Silva e golo do central brasileiro, que apontou o quarto tento da temporada, cimentando a sua posição como melhor marcador dos axadrezados.

Ao intervalo, Paulo Bento trocou Romagnoli por Izmailov, e a segunda parte trouxe um Sporting mais pressionante. O Boavista engatou a marcha-atrás e limitou-se a tentar explorar o contra-ataque. O Sporting tentou, tentou, mas encontrou pela frente um duro obstáculo, de seu nome Peter Jehle. O guarda-redes do Liechtenstein defendeu tudo o que havia para defender, e ainda contou com o apoio do central Marcelão, que com um corte extraordinário evitou um golo que parecia certo a João Moutinho.

Quando o Sporting parecia perto do empate, o Boavista matou o jogo, com um segundo golo apontado por Jorge Ribeiro. Contra-ataque puro, conduzido pela direita, com o internacional português a aparecer no coração da área. Assistido por Zé Kalanga, o defesa/médio bateu Rui Patrício que, numa noite inglória, sofreu dois golos sem fazer qualquer defesa.

Com esta derrota, além de não aproveitar a escorregadela do Benfica - que empatou em Setúbal (1-1) - permitiu aos encarnados alargarem a distância para três pontos, deixando ainda o terceiro lugar à mercê do Vitória de Guimarães, que em caso de triunfo ultrapassa os leões na tabela.

Sporting longe do título, Pacheco satisfeito com a vitória

O título é cada vez mais uma miragem para o Sporting. Para Paulo Bento, "12 pontos ao virar da primeira volta é muito".

"O Boavista tinha a sua estratégia, entrou melhor do que nós, dominou durante quinze minutos, mas a partir daí tomámos conta do jogo. Na primeira parte não estivemos bem e não houve muitas oportunidades de golo. Na segunda parte reagimos bem ao golo sofrido, e aos 58 minutos tínhamos criado três ocasiões de perigo. Mas não conseguimos empatar e na única vez que chegou à nossa baliza o Boavista fez o segundo golo. Podíamos ter igualado o Benfica, ficámos a três pontos. A luta pela liderança está demasiado longe, temos de ser sinceros, e está porque temos feito um mau campeonato. Nas três derrotas que temos fora de casa - Dragão, Braga e Bessa - temos seis golos sofridos e nenhum marcado. São muitos golos sofridos", disse Paulo Bento.

Do outro lado, Jaime Pacheco congratulou-se com a vitória. Apesar das dificuldades que a equipa atravessa, o Boavista conquistou dez pontos nos últimos cinco jogos. O técnico tinha dito que tinha obrigação de vencer o Leiria, não o Sporting, mas acabou por derrotar os leões.

"Eu queria ganhar ao Sporting. Tivemos alguma felicidade, até porque não ganhámos a uma equipa qualquer, ganhámos a uma grande equipa. Marcámos um golo e depois soubemos defender-nos. Eu sabia que todo o jogo do Sporting passava pelo Miguel Veloso. Acho que soubemos aproveitar os nossos méritos, trabalhámos bem e merecemos este triunfo, embora mais golos, menos golos, talvez a justiça merecesse um resultado não tão alargado", disse o técnico axadrezado.