Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

Museu Joaquim Agostinho em marcha em Torres Vedras

Câmara de Torres Vedras já reúne espólio do antigo ciclista para montar um museu na antiga Casa Hipólito, em memória de um dos mais ilustres nomes do concelho.

A Câmara de Torres Vedras iniciou a recolha de espólio sobre Joaquim Agostinho para vir a criar um museu dedicado ao ciclista, natural do concelho, disse hoje o presidente da autarquia. "Estamos a reunir espólio de tudo o que é imprensa escrita, audiovisual e recolhas de testemunhos a pessoas que viveram junto de Joaquim Agostinho", afirmou à agência Lusa o presidente da autarquia, Carlos Miguel. 

A autarquia tem também autorização da família do ciclista já falecido para vir a ceder para aquele espaço objetos da sua vida privada, assim como a bicicleta e as várias camisolas amarelas que ganhou. O autarca adiantou que vai ser lançado o desafio à população para "doar o que tiver sobre Joaquim Agostinho" ao futuro museu. 

Carlos Miguel explica que o município já dispõe de um espaço para aquela que pode vir a ser designada por a Casa-Museu Joaquim Agostinho, um edifício que funcionou como refeitório da antiga Casa Hipólito (uma empresa da cidade que fechou portas há duas décadas) e que está classificado como de interesse histórico no Plano Diretor Municipal. 

O imóvel foi entregue pelos antigos proprietários em troca de outras contrapartidas que teriam de pagar à Câmara. 

"Não será por dificuldades financeiras que não vamos ter o museu num curto espaço de tempo", sublinha o autarca, explicando que " tudo depende do tempo que demora a fazer a recolha do espólio e a montagem dos conteúdos expositivos". 

A Câmara de Torres Vedras tenciona reunir material que ilustre a vida do ciclista, por muitos considerado o melhor de sempre da velocipedia portuguesa, recorrendo a conteúdos multimédia que deem dinamismo ao espaço e que levem o visitante a conhecer de forma o seu percurso. 

Joaquim Agostinho, natural do concelho, nasceu a 7 de abril de 1943, na localidade de Brejenjas, e morreu a 10 de maio de 1984, na sequência de uma fratura craniana resultante de uma queda durante a Volta ao Algarve, quando um cão se atravessou à frente da sua bicicleta. 

O ciclista do Sporting ganhou por três vezes (1970, 71 e 72) a Volta a Portugal. Em 1972, foi 5.º na Volta à Suíça e, nos anos de 1978 e 1979, conseguiu um 3.º lugar na Volta a França, a melhor posição de sempre por parte de ciclistas portugueses. Foi também 16.º no Campeonato do Mundo de estrada, na década de 60.

Montanhista de eleição, por ter ganho uma etapa no mítico Alpe d'Huez, na Volta a França em 1979, Joaquim Agostinho ganhou direito a dar o seu nome à 14ª curva dessa escalada , figurando a par de outros grandes vencedores históricos dessa subida de eleição.