Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

Luís Filipe Vieira dá prioridade à Olivedesportos

Luís Filipe Vieira está a negociar o contrato dos direitos televisivos dos jogos do Benfica com a Olivedeportos, mas admite outras soluções caso a verba não for a que o Benfica acha justa para a SAD e o clube.

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, dará prioridade à Olivedesportos nas negociações para a renovação de contrato dos direitos televisivos, mas admite outras soluções, caso não haja acordo com a empresa de Joaquim Oliveira.

"Não vou esconder que começámos a conversar com a Olivedesportos e vamos dar preferência a essa empresa. No entanto, irei lutar pela verba que achamos justa para a SAD e o clube. Se não for possível, iremos para outro lado, mas, de momento, lutamos para ficar com o mesmo parceiro que nos tem ajudado estes anos todos", sublinhou Luís Filipe Vieira, em entrevista à Benfica TV.

O Benfica recebe atualmente cerca de nove milhões de euros por temporada pela cedência dos direitos televisivos à Olivedesportos, num contrato que cessa em 2012/2013, mas, segundo os números que circulam na imprensa, esta verba poderá triplicar.

Dividendos podem chegar aos 25 milhões

Apesar de se insistir numa cifra que poderá chegar aos 25 milhões de euros por temporada, Luís Filipe Vieira recusou falar em números, acrescentando apenas que as negociações estão "muito acima dos valores que se falam".

"A Olivedesportos ajudou-nos muito em tempos difíceis, mas também sei o que o Benfica vale. Um novo contrato implicará números muito substanciais em comparação ao que recebemos atualmente", explicou o presidente do Benfica.

Para Luís Filipe Vieira, as negociações para um novo contrato de direitos televisivos e a presença na Liga dos Campeões em 2010/2011 representam "um momento chave para o clube".

"A política do Benfica é investir mais e, se for preciso, endividar-se mais. Atualmente, o nosso endividamento cifra-se nos 225 milhões de euros, mas os nossos ativos são muito superiores a esse valor. Não me assusta o endividamento, porque vai permitir que mantenhamos uma estrutura muito forte e continuemos a ganhar", considerou.