Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

"Leão" não consegue disfarçar a crise

Sporting teve o "pássaro na mão, mas deixou-o fugir" com um frango de Rui Patrício. E Polga ainda falhou um "penalty".

Ricardo Capela

É impossível disfarçar a crise do Sporting, os sinais são por demais evidentes. Conscientes da pressão e da necessidade de vencer, como reconheceu Paulo Bento, os "leões" não foram além de um empate (1-1), em Alvalade, com a União de Leiria, último classificado da Bwin Liga. Mas se o empate é, por si só, mau para as ambições leoninas, as circunstâncias em que aconteceu ainda acentuam mais o mau momento do Sporting.

Com uma primeira parte paupérrima, o Sporting entrou para o segundo tempo com uma disposição diferente e marcou cedo - Izmailov, aos 53'. Depois, e ao contrário do que seria de esperar, a equipa perdeu a (pouca) tranquilidade que tinha e foi-se encolhendo, oferecendo o domínio de jogo à União de Leiria. Os leirienses agradeceram e acabaram por conseguir o empate, aos 82 minutos, por Toñito, num enorme "frango" de Rui Patrício.

Como "prémio", a equipa leonina viu o público despedir-se, no final do encontro, com uma tremenda assobiadela e com um sem número de lenços brancos. O Sporting não conseguiu, assim, aproveitar a derrota do Benfica para se colocar a três pontos do rival mas, pior do que isso, perdeu para o FC Porto. Já é de 12 pontos a diferença para o primeiro lugar, quando a primeira volta se aproxima do final.

Paulo Bento reconhece "situação extremamente complicada"

O Sporting atravessa o momento menos positivo da era Paulo Bento e, com o título cada vez mais longe, o próprio treinador não se esconde da situação. E foi assim que abordou mais um desaire que, feitas as contas, foi o terceiro consecutivo - depois da derrota em Braga e do empate contra o Leixões.

"Começámos bem, mas à primeira oportunidade que concedemos ficámos intranquilos. Mais tarde poderíamos ter acabado com o jogo, mas falhámos a grande penalidade e houve contrariedades. Tivemos dificuldades para reagir a um momento adverso. Os erros? Acontecem em todos os jogos. Já não havia margem para errar e estamos numa situação extremamente complicada. Mas não podemos desistir do objectivo de sermos campeões", disse Paulo Bento no final do encontro.

Do lado contrário, Vítor Oliveira reconheceu o sucesso da estratégia montada e desejou que este fosse o momento de viragem na época para a União de Leiria. "Montámos a estratégia que nos parecia melhor para defrontar uma equipa como o Sporting. Pelo que fizemos, merecemos a divisão de pontos. O 'penalty' falhado foi um tónico extremamente importante e obtivemos depois o golo de uma forma feliz. Houve um falhanço do guarda-redes e o Toñito aproveitou bem. Empatar nas duas últimas jornadas permite-nos ter esperanças no futuro. Ainda não temos qualquer vitória, mas a equipa está numa fase evolutiva. Espero que este possa ser o tónico que precisamos", disse.