Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

Kléber recusou-se a treinar

Kléber recusou-se a treinar por ter tido conhecimento de que era jogador do FC Porto e que, se treinasse, podia lesionar-se.

Kléber não compareceu à hora marcada na porta do hotel onde se encontra instalada a comitiva madeirense que se preparava para partir de autocarro para o campo do Fão, onde estão a decorrer os treinos.

A uma primeira tentativa de contato telefónico feita por um responsável do clube, o jogador não respondeu.

Posto isto, o dirigente deslocou-se ao quarto do atleta e este comunicou-lhe que não iria treinar, uma vez que tinha conhecimento de que já era jogador do FC Porto e que, participar na sessão de trabalho, poderia provocar-lhe uma eventual lesão.

O presidente Carlos Pereira já reagiu à situação, mostrando-se "surpreendido com a atitude de Kléber".

Caso vai ser entregue ao departamento jurídico

O líder do clube insular afirmou que o caso será entregue amanhã ao departamento jurídico do Marítimo, para que este proceda à tomada das medidas que se ajustam ao comportamento do avançado que tem contrato com o Marítimo até janeiro de 2012.

"O Kléber foi mal aconselhado", assegurou Carlos Pereira que hoje mesmo regressou ao Funchal, depois de ter estado com a equipa durante os dois primeiros dias de estágio no Minho.

O jogador, segundo declarações recentes do presidente do Atlético Mineiro, Alexandre Kalil, foi vendido ao FC Porto.

Ainda assim, o dirigente brasileiro reconheceu que estava a faltar a negociação entre o FC Porto e o Marítimo, clube com quem o atleta está vinculado por mais um ano e meio.

No sábado, Carlos Pereira garantiu que o Marítimo não tinha sido contactado pelos portistas relativamente ao assunto e, como tal, afirmou que o jogador se manteria a treinar com a equipa até o assunto ficar resolvido.