Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

Gil Vicente volta a perder na secretaria

Punido com a subtracção de nove pontos pela Comissão Disciplinar da Liga, o clube de Barcelos acaba de cair por via administrativa do 12.º para o 15.º lugar da Liga de Honra, o primeiro posto da linha de despromoção.

Duas semanas depois de ter visto a Comissão Disciplinar da Liga de Clubes dar-lhe razão no direito de recurso aos tribunais civis, o Gil Vicente volta a ser punido na secretaria por causa do controverso caso Mateus. A falta de comparência aos jogos de início da época com o Feirense, Estoril e Trofense valeram ao Gil Vicente a subtracção de três pontos por partida, punição que remete a equipa de Paulo Alves para o penúltimo lugar da tabela classificativa com apenas 11 pontos, mais dois do que o Chaves, o líder dos últimos da Liga de Honra. Apesar da falta de presença aos três encontros – sancionada jogo a jogo com a derrota automática por 3-0 –, o Gil Vicente seguia tranquilo na 12.ª posição com 20 pontos acumulados e a sete da linha vermelha, até “mais este inesperado e rude golpe da Comissão Disciplinar”.

Para Pedro Macieirinha, advogado do clube, a decisão do organismo disciplinar da Liga “é mais uma injustiça a juntar a tantas outras”, razão pela qual o Gil Vicente vai recorrer de imediato para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol.

A defesa do Gil Vicente alega que a subtracção dos nove pontos é ilegal, dado que esta punição, prevista desde Julho último no Regulamento Disciplinar, não ter sido ainda ratificada em Assembleia Geral federativa, conforme ditam os Estatutos da Liga e FPF.

A direcção do clube e Pedro Macieirinha acusam ainda a Comissão Disciplinar da Liga de “falta de coerência”, lembrando que se este organismo aceitou adiar os jogos da ronda inaugural do Benfica e Leixões, “deveria ter mantido a mesma posição em relação aos jogos seguintes”. Nestes casos, a remarcação dos jogos ficou a dever-se à existência de um recurso pendente do Leixões, que reclamava na altura a subida à I Liga para o lugar do Gil Vicente, em vez do Belenenses.

O advogado do clube contrapõe que, uma vez que um recurso serviu para adiar jogos, também a providência cautelar interposta pelo Gil Vicente no Tribunal Administrativo e Fiscal de Lisboa deveria ter sido suficiente para que se mandassem remarcar os outros três.

“É no mínimo caricato que a Comissão Disciplinar dê razão ao Gil por ter recorrido aos tribunais e penalize agora o clube por ter tentado reagir à primeira injustiça”, comenta Pedro Macieirinha.

Os gilistas indignam-se ainda com a demora na conclusão deste processo, advertindo que se era para tirar pontos à equipa, a Comissão Disciplinar "já o poderia ter feito logo que somaram nove pontos e não agora”.

Embora diga acreditar que o Conselho de Justiça irá revogar a decisão da disciplina da Liga, a direcção do clube não enjeita a hipótese de recorrer novamente para os tribunais comuns, onde mantém pendente a acção principal do caso Mateus.

Para além dos mais de 40 jovens jogadores que se encontram suspensos dos campeonatos nacionais de iniciados e juniores por deliberação da FPF, o Gil Vicente aguarda ainda há cinco meses pela conclusão do processo disciplinar federativo instaurado contra a Associação de Futebol de Braga, organismo que à revelia das directrizes da FPF mantém a jogar nos seus campeonatos mais de 200 jovens de todos os escalões de formação.