Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

"Benfica não pode ser tão inconstante"

Titular da baliza do Benfica abordou a primeira fase da temporada e os erros da equipa, antes do regresso da I Liga.

Ricardo Capela

Quim ainda acredita na hipótese do Benfica se sagrar campeão nacional. Antes do regresso da I Liga, o guarda-redes assume que será difícil recuperar a distância de sete pontos para o FC Porto, mas continua a acreditar e deixa um aviso: "é importante corrigir erros".

"A realidade é que um clube como o Benfica não pode estar tão inconstante. Para vencer temos de manter o mesmo nível e ritmo. Temos de fazer tudo para conquistar os três pontos e não oscilar tanto. Todos cometemos erros e só temos de melhorá-los", afirmou Quim em conferência de imprensa.

Na antevisão do jogo com o Vitória de Setúbal, Quim afirmou que não espera facilidades. "Hoje não há jogos fáceis. Todos temos dificuldades e tivemos quando fomos eliminados da Taça da Liga. Temos de pensar no que aconteceu e não cometer os mesmos erros. O Setúbal tem um grupo forte, que consegue superar as dificuldades que tem. Nós temos de ter cuidado com essas situações."

O suplente de Ricardo na selecção nacional deixou ainda expressos alguns desejos para 2008: "a nível pessoal, que corra tão bem como o ano que passou. Em termos de clube, sermos campeões nacionais era óptimo. Se Deus quiser as coisas vão correr bem e vamos dificultar ao máximo a vida ao Porto. Tudo é possível."

No Benfica a exigência é maior

Numa entrevista ao site 'Maisfutebol' publicada esta semana, Nuno Gomes afirmou que "no Benfica, se calhar, Lisandro seria dispensado", falando sobre a forma como o clube não dá tempo aos jogadores. Quim não comentou as afirmações do colega, limitando-se a dizer: "essa é a opinião do Nuno". Ainda assim, não hesitou em confirmar que a pressão no Benfica é maior do que no Sporting de Braga, clube que representou antes de chegar à Luz.

"É um clube diferente do Braga. Aqui exige-se sempre muito mais e não se espera tanto. As pessoas querem resultados logo. Isso para nós é um bocado complicado, mas temos de saber dar o nosso melhor. Falhar uma vez é muito. Falhar duas não é possível", disse.