Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

A Liga já não é anónima. Chama-se NOS

FOTO RUI DUARTE SILVA

Nos próximos três anos e meio, a principal prova de futebol nacional terá o naming "Liga NOS". "É o nome certo", afirma Luís Duque, 100 dias após ter sido eleito 

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Luís Duque anunciou esta quinta-feira no Porto, com pompa e circunstância, ter chegado a um acordo de parceria com a NOS, patrocinador exclusivo da Liga os próximos três anos e meio. A Liga NOS torna-se realidade esta sábado, 7 de fevereiro, à 20ª jornada da época, véspera do dérbi Sporting-Benfica.

Embora se tenha escusado a avançar o valor do patrocínio, alegando que o segredo é a alma do negócio, Miguel Almeida, CEO da NOS, afirmou que este contrato é um dos maiores do futebol português e o "início de uma grande parceria com a Liga em prol de um futebol mais dinâmico, mais interativo e atrativo para os espectadores".

Ao Expresso, Miguel Almeida adiantou que a ligação à Liga poderá não se esgotar no atual contrato, mas garantiu não ter a NOS "interesse na II Liga", competição que se mantém sem patrocinador à vista.

De acordo com um dirigente de um clube da I Liga, o investimento da NOS rondará um total de 15 milhões euros, o que permite ao organismo liderado por Luís Duque reequilibrar as contas após meio ano sem patrocinador oficial e meses de sufoco financeiro, que levou ao acumular de atrasos salariais no setor da arbitragem.

O princípio do fim do sufoco  "É um grande alívio", comentou Luís Duque, apesar de tal, como o CEO da NOS, não ter aberto o jogo quanto ao valor do investimento da operadora de comunicações. Duque agradeceu "o empenho e ajuda na busca de novas soluções para um futebol mais forte e coeso" de Pinto da Costa, Luís Filipe Vieira, Fernando Gomes, todos presentes na cerimónia na sede da Liga, com exceção do presidente do Benfica.

Joaquim Oliveira, detentor da Olivedesportos e acionista da NOS, também presente no ato de batismo da Liga, recebeu também um especial agradecimento por parte de Luís Duque. O ex-dirigente do Sporting adiantou ainda que a Liga está numa fase de renascimento, de retoma de confiança e reforço de receitas.   

Miguel Almeida avançou, por seu turno, que a parceira com a Liga irá traduzir-se num investimento significativo em "inovação do produto de uma empresa de entretenimento e comunicações que quer estar onde estão os portugueses, dentro e fora de casa".

Num dia de paz e troca de elogios no futebol português, o presidente do FC Porto recusou-se a comentar por que resultado torce no dérbi Sporting-Benfica de domingo, tendo preferido louvar o trabalho de Luís Duque, "um homem do futebol", como timoneiro da Liga.

Pinto da Costa fez questão ainda de dizer que, apesar de nunca ter ambicionado outra lugar senão o que ocupa no FC Porto, foi com ele como presidente que a Liga começou a organizar os campeonatos profissionais em Portugal, uma conquista que esteve em risco na era em que a Liga esteve entregue "a alguém que pouco ou nada conhecia do futebol [Mário Figueiredo]". 

FOTO RUI DUARTE SILVA