Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Teatro São Carlos com nova administração

O único teatro de ópera português e a Companhia Nacional de Bailado têm novo conselho de administração. José Monterroso Teixeira substitui José António Falcão na presidência e Sandra Castro Simões toma o lugar João Consolado.

A notícia era esperada há já vários meses. O desentendimento entre o conselho de administração da Opart, entidade que gere o Teatro Nacional de São Carlos e a Companhia Nacional de Bailado, com o secretáro de Estado da Cultura e com os diretores artísticos dos dois agentes culturais era conhecida. E, quando o contrato com Paolo Pinamonti como conselheiro artístico do teatro de ópera se quebrou em dezembro, as animosidades estalaram.

Jorge Barreto Xavier pretendia que José António Falcão se demitisse, mas o agora ex-presidente do CA da Opart fez finca-pé até ao fim, atrasando todo o processo de subsitituição.

O anúncio da remodelação, feito ao fim do dia de qu7inta-feira, não surpreende portanto. Mas vale a pena olhar para o currículo dos dois novos administradores.

José de Monterroso Teixeira é doutorado em História pela Universidade Autónoma de Lisboa e desempenhou, entre outros, os cargos de diretor do Museu Biblioteca da Fundação da Casa de Bragança; do Paço Ducal de Vila Viçosa; do Museu de Évora (1988-1992) e do Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém (1992-1997). Entre 2002 e 2006 foi diretor-geral de Cultura da Câmara Municipal de Lisboa. Foi comissário da representação oficial portuguesa na Bienal de Veneza de 1995 e de exposições como "Triomphe du Baroque", que integrou a Europália 91 em Bruxelas; "Almada - A Cena do Corpo", patente no Centro Cultural de Belém em 1994 e "Splendours of Portugal, Five Centuries of Portuguese Art", que esteve em 1997 no Tokyo Fuji Museum of Art. Recebeu, em 1987 e em 2013, o Prémio da Academia Nacional de Belas-Artes de Lisboa. Em 1998, no Rio de Janeiro e sob a égide do ICOM, foi galardoado com o Prémio Museion-Triomus.

Menos experiente, Sandra Castro Simões é licenciada em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Entre 2011 e 2014 exerceu o cargo de vogal do conselho de administração do Teatro Nacional D.Maria II, EPE com a responsabilidade da área financeira. Em 2011 foi nomeada diretora de serviços de gestão de recursos da Inspeção-Geral das Atividades Culturais. Antes disso, durante 14 anos (1996-2010) esteve na Câmara Municipal de Lisboa, como técnica superior na área de Economia e Finanças.