Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Nobel da literatura turco vence prémio Helena Vaz da Silva

Romancista turco Orhan Pamuk vence Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2014. Aos 91 anos, o historiador José-Augusto França recebe um "prémio especial" pela sua carreira em prol da cultura portuguesa e europeia.

O escritor e Nobel turco, Orhan Pamuk, é o vencedor do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2014. Um comunicado do Centro Nacional de Cultura (CNC), fundado pela ex-jornalista do Expresso Helena Vaz da Silva, falecida em 2002, diz que "o júri apreciou particularmente a forma original como Pamuk consegue dar vida aos valores e ideais europeus e promovê-los além-fronteiras através da sua obra literária, profundamente enraizada na história e na cultura do seu país, a Turquia".

Guilherme d´Oliveira Martins, presidente do CNC e do júri deste prémio, diz que "Pamuk é também um cidadão activo, que tem feito esforços notáveis para promover o rico legado multicultural da Europa, com Istambul como uma das suas mais icónicas cidades".

O escritor turco declarou sentir-se "muito honrado e lisonjeado" com a atribuição deste prémio.

O romancista turco, Pamuk, nasceu em 1952. Viveu quase toda a sua vida em Istambul, o que explica que a cidade esteja presente na sua obra literária. Títulos  como "O Museu da Inocência (2008)", "Istambul: Memórias de Uma Cidade (2003)" e "O Livro Negro (1990)", são exemplos disso.

O seu romance "O Museu da Inocência" (traduzido em Portugal) - conta a história de um homem de negócios muito rico de Istambul que se apaixona por uma empregada, que desenvolve uma obsessão coleccionando tudo o que tenha a ver com ela. Pamuk criou um museu com o nome deste seu livro em Istambul, que dois anos depos de ser inaugurado recebeu o Prémio Museu Europeu em 2014.

José-Augusto França recebe "Prémio Especial" de carreira

O historiador de arte José-Augusto França - que nasceu em Tomar em novembro de 1922 - foi distinguido com um prémio especial pela sua actividade profissional como divulgador da cultura e arte portuguesa e europeia.

O jornalista holandês Pieter Steinz foi também distinguido com uma menção especial do júri, por ter criado uma original enciclopédia de ícones culturais que fazem parte do ADN da Europa. 

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva é atribuído anualmente a um cidadão europeu cuja carreira se tenha distinguido pela difusão, defesa e promoção do património cultural da Europa, quer através de obras literárias, quer de reportagens, artigos, crónicas, fotografias, documentários, filmes de ficção e programas de rádio e/ou televisão. O primeiro laureado foi o escritor italiano Claudio Magris.

O presidente do grupo Impresa, Francisco Pinto Balsemão, é um dos membros do júri deste prémio, de que fazem parte também Antonio Foscari, Irina Subotic, João David Nunes e José María Ballester, entre outras personalidades