Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

António Filipe Pimentel acusa governos de “histórico provincianismo embasbacado”

António Filipe Pimentel, diretor do Museu Nacional de Arte Antiga

Luís Barra

Diretor do Museu Nacional de Arte Antiga, que está de saída, salienta o esforço feito ao longo de anos na instituição cuja fuselagem se desfaz - e alerta para “o colapso iminente da sua própria alma”

“A venerável locomotiva que é, na essência, o MNAA [Museu Nacional de Arte Antiga], ressente-se hoje do esforço intenso a que foi sujeita, por tempo exagerado, posta sobre os carris de um TGV, a que o próprio efeito da inércia imprime, dia a dia, maior velocidade: maior pressão, por conseguinte. A olho nu, desfaz-se a fuselagem, por efeito do atrito; e de nada adianta persistir em monocórdico alerta sobre o perigo a ouvidos que persistem surdos.”

A denúncia é feita por António Filipe Pimentel este sábado no Expresso, numa longa crónica intitulada “A qualidade de uma civilização afere-se pelo brilho das suas instituições”.

António Filipe Pimentel, que anunciou recentemente que não se recandidatará ao cargo de diretor do MNAA, abandonando em junho a instituição que liderou nos últimos nove anos, elogia o trabalho feito no primeiro museu nacional, que “em vez de nutrido e adubado, foi antes apodado de ‘instituição altamente deficitária’ — a despeito do valor irrisório dos seus custos e de ver-se impedido, justamente pelo espartilho imposto, de controlar os próprios meios de sustentação.”

As instituições não são eternas, “são plantas da civilização, frágeis, exigindo contínuos cuidados e atenção”, escreve, criticando o “histórico provincianismo embasbacado” das “sucessivas administrações lusas” que admiram instituições culturais estrangeiras sem perceber que elas não são fruto “de um só jato”, mas sim “fruto da aplicação tenaz de gerações, ano após ano”. Pelo contrário, escreve, o Estado “rodeou os seus museus de um fosso intransponível de obstáculos, que acabou por tolher-lhes o desenvolvimento e a necessária afirmação.”

Leia este artigo na íntegra AQUI. E toda a edição do semanário Expresso deste sábado AQUI.

(Acesso a assinantes digitais do Expresso. Se ainda não é assinante, conheça as nossas propostas AQUI.

Acesso gratuito para compradores do jornal nas bancas: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)