Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

As palavras que Saramago não escreveu

TIAGO MIRANDA

Saramago conheceu um membro da Academia Sueca em Lisboa, antes da atribuição do prémio. Pilar soube na véspera que o marido era o escolhido e mentiu-lhe. O primeiro português a quem a Academia anunciou o prémio guardou segredo durante uma semana. Azinhaga, terra onde Saramago nasceu, está a transformar-se numa vila-santuário

Pilar del Río soube que José Saramago ganhara o Nobel da Literatura na véspera do anúncio oficial. Na tarde do dia 7 de outubro de 1998. A notícia foi-lhe dada por telefone. Nessa noite, ligou ao marido. Não lhe disse. As indicações da Academia Sueca eram claras: “O último a saber deve ser o laureado.” Segundo o protocolo, o escritor iria ser contactado pela própria academia. Pilar estava nas Canárias, em Lanzarote, na residência do casal. Saramago estava prestes a abandonar Frankfurt, depois de ter participado em mais uma feira do livro. Pilar ainda tentou convencer o marido a não embarcar no dia seguinte e a ficar mais uma noite na Alemanha. Assegurou-lhe que jornalistas lhe tinham telefonado achando que o marido seria o premiado. Uma meia-mentira, inventada à pressa por Pilar, que não demoveu Saramago. O escritor estava farto. Cansado de ficar em suspenso, à conta do anúncio do Nobel religiosamente agendado para cada início de outubro.

Há vários anos que Saramago era dado como favorito, e há vários anos que, invariavelmente, se desiludia. Dava um desgosto a amigos e desconhecidos, como já confessara, certa vez, nos diários que começou a escrever depois de ter fixado residência em Espanha. O escritor não foi na conversa da mulher. Manteve o plano de voltar para casa na manhã seguinte, apesar de ter notado um tom estranho na voz dela, e de comentar tal facto com o seu editor, Zeferino Coelho. Pilar del Río não soube do Nobel pela Academia Sueca. Mas através de Amadeu Batel, que agora conta esta história ao Expresso. Professor, militante comunista que fugira à ditadura de Salazar, exilando-se na Suécia, Amadeu Batel foi o primeiro português a saber que o Nobel seria entregue a José Saramago. Viveu na solidão dos píncaros durante uma semana. A alegria, ou a conveniente explosão desta, teve de esperar. Aguardar o momento certo.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI