Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

My name is Turner, Joe Turner

Max Irons, filho do premiado ator britânico Jeremy Irons, tem em “Condor” um dos maiores projetos da sua carreira. Joe Turner é o nome da sua personagem, que protagoniza a série

FOTO Audience Network

“Condor” é uma das maiores apostas do AMC e chega esta semana à televisão. Protagonizada por Max Irons, a série de 10 episódios é inspirada no filme “Os Três Dias do Condor”, de Sydney Pollack. A estreia está marcada para quarta-feira

O género tem sido uma aposta segura no meio televisivo — veja-se os casos de “24” e do seu renascimento em “24: Legacy” (FOX), “The Americans” (FOX/Netflix) ou “Segurança Nacional” (FOX) —, pelo que “Condor” promete seguir esse caminho de sucesso trilhado pelos projetos que o antecederam. É que se o filme original, que deu origem à nova série, se passava no tempo de Nixon, marcado por escândalos como o do projeto MKUltra (que inspirou a série de sucesso “Stranger Things”), os tempos que correm também estão cheios de casos reais para juntar à ficção.

Do lado da imaginação, “Condor” é um thriller com 10 episódios, centrado num perito informático que se tornará no único sobrevivente de uma unidade especializada da CIA, e é no seguimento deste acontecimento que tudo se desenvolve. As informações sobre o ataque do grupo criminoso são escassas e caberá a Joe Turner (Max Irons) descobrir a identidade dos terroristas enquanto luta para se manter vivo. Avisa-se desde já que não será de todo fácil fugir à morte que lhe estava destinada, mas ele fará tudo o que estiver ao seu alcance para escapar.

Não é só a sua vida que está em jogo, em causa está também a de milhões de pessoas no mundo (amedrontadas pela ameaça terrorista), numa altura em que a confiança nas instituições pode também ser abalada. Terá Turner o apoio da agência de inteligência norte-americana ou estará a ser vítima de algo maior do que imagina? “Condor” não parece querer tornar-se demasiado política desde já, mas isso pode mesmo ser inevitável. Ou talvez seja mesmo essa a ideia dos seus criadores.

Pegar num clássico

A ideia de dar uma nova vida a “Os Três Dias do Condor” não partiu de Jason Smilovic e Todd Katzberg — foi a MGM Television e a Skydance Television que juntas abordaram os argumentistas para recriarem o clássico de Sydney Pollack (de 1975), já de si adaptado do livro “Os Seis Dias do Condor”, de James Grady — e não foi de ânimo leve que os dois aceitaram o desafio. Tiveram de pensar bem no que estava em causa, mas acabaram por perceber que não tinham como recusar o projeto, desenvolvido para televisão por Ken Robinson. Ao verem o filme deram conta de todo o potencial existente e de como este podia ser potenciado num formato mais longo.

Foi no festival South by Southwest, em Austin, EUA, que a série foi apresentada em primeira mão, e Smilovic aproveitou este primeiro contacto para falar sobre “Condor”. “Acho que a principal razão pela qual estávamos interessados em contar esta história é por nos sentirmos num momento decisivo na história dos Estados Unidos, no qual podemos seguir pelo caminho certo ou pelo caminho errado”, considera. Também não teve qualquer pudor em assumir o que sentem em relação à importância de uma história como esta nos dias que correm. “Sentimos que este programa tinha o ADN certo para contar essa história”, concluiu.

A sua visão é também partilhada por Max Irons, que vai mais longe para mostrar como “Condor” quer ser muito mais do que uma série de ação com intriga internacional. A ideia, segundo o protagonista, é também pôr o telespectador a pensar no custo do nosso estilo de vida e quais as implicações da forma como vivemos. “Tomamos certos luxos como garantidos. Temos gasolina barata nos nossos carros, podemos comprar roupas baratas e descartáveis e [temos] comida fora de época, mas muitas vezes afastamo-nos das realidades que nos permitem ter esses luxos. Acho que o nosso programa nos faz examinar as coisas das quais desviamos o olhar para continuarmos a viver da mesma maneira.” A aposta parece estar ganha.

O sucesso de “Condor” no mercado norte-americano — em Portugal, a estreia está marcada para quarta-feira, pelas 22h10, no AMC — já levou os responsáveis pela série a garantirem a continuidade desta em antena. Protagonizada por Max Irons, William Hurt, Mira Sorvino e Brendan Fraser, a versão televisiva e contemporânea de “Os Três Dias do Condor” tem uma segunda temporada confirmada.