Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

A arquitetura do Brasil como nunca se viu em Portugal

Aspeto da exposição "Infinito Vão"

D.R.

Casa da Arquitectura inaugura esta sexta-feira, em Matosinhos, a exposição “Infinito Vão”, dedicada a 90 anos de produção arquitetónica brasileira. Inclui debates, ciclos de cinema e concertos. Sábado, Adriana Calcanhoto apresenta um espetáculo concebido de propósito para este evento

Preparada ao longo de dois anos, a exposição “Infinito Vão” explora 90 anos de arquitetura brasileira através de 136 arquitetos e 90 projetos. Dividida em seis núcleos espalhados pela imensa nave da Galeria principal da Casa da Arquitectura (CA), a mostra ocupa perto de mil metros quadrados e funciona, também, como um pretexto para percorrer a história política, cultural e social do Brasil dos últimos 90 anos.

Os comissários, Fernando Serapião, premiado pela 10.ª Bienal Iberoamericana de Arquitetura (2016), autor de mais de uma dezena de livros sobre arquitetura; Guilherme Wisnik, professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, autor de vários ensaios e livros; e Nuno Sampaio, co-autor, com Paulo Mendes da Rocha, do projeto expositivo do Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, e diretor-executivo da Casa da Arquitectura (CA), tiveram o cuidado de criar diferentes momentos de pausa ao longo do percurso expositivo, com a introdução de excertos musicais e videográficos relacionados com a época que cada núcleo representa.

A exposição “Infinito Vão” decorre até abril. Neste período terá inúmeras iniciativas paralelas, em Portugal e no Brasil. Amanhã à noite, sábado, há um concerto de Adriana Calcanhoto especialmente concebido para esta ocasião. No domingo, a cantora participa numa sessão de leituras encenadas na nave expositiva da Casa da Arquitectura. Está previsto, também, um ciclo de cinema intitulado "Arquitetura e Cidade", o lançamento de livros e a realização de debates e conferências, em Portugal e no Brasil.

Em simultâneo com a exposição "Infinito Vão" estará patente, até 10 de fevereiro, na Galeria da Casa, a mostra "Duas Casas de Paulo Mendes.da Rocha". São duas casas familiares que permitem uma viagem diferene ao universo criativo do arquiteto. Trata-se da Casa Gerassi, em São Paulo, e a Casa da Rua do Quelhas, em Lisboa, assinada em parceria com Inês lobo, desenhadas com uma distância temporal de trinta anos entre uma e outra. As maquetas foram concebidas de propósito para esta apresentação em Matosinhos. São acompanhadas de fotos de Leonardo Finotti e de um registo audiovisual.

A CA está a constituir a “Coleção Brasil” e é, neste momento, depositária de um longo espólio chegado do Brasil nos últimos meses. Duzentos doadores permitiram reunir quase três toneladas de material enviado em contentores especiais para Portugal. No total foram doados 103 projetos, 50.292 documentos, divididos por 45.581 documentos digitais e 4711 documentos físicos, além de 2950 desenhos originais, 1485 fotos e diapositivos, 150 publicações, 18 maquetes, 11 fac-similes e três filmes.