Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Carta aberta à administração de Serralves contra restrições a Mapplethorpe

Leee Black Childers/Getty

Carta dirigida à presidente da Fundação de Serralves recorda que Robert Mapplethorpe se tornou uma figura canónica da arte norte-americana do final do século XX, com o seu trabalho elogiado pelas formas como explora temas de erotismo, sexo e sexualidade

Mais de 400 personalidades subscreveram uma carta aberta à presidente do conselho de administração da Fundação de Serralves contra as restrições à exposição de Robert Mapplethorpe, que terão provocado a demissão do curador e diretor artístico do museu.

Os artistas Wolfgang Tillmans, Ana Vidigal, Pedro Pinheiro e Tania Bruguera, a historiadora de arte Maria José Goulão, da Universidade do Porto, a historiadora e professora universitária Irene Flunser Pimentel, da Universidade Nova de Lisboa, o diretor do CA2M---Centro de Arte Dos de Mayo, de Madrid, Manuel Segade, o curador e antigo diretor dos museus do Chiado e Coleção Berardo, Pedro Lapa, contam-se entre os signatários da carta dirigida a Ana Pinho, que está a circular na plataforma Google forms.

É com "tristeza que continuamos a ver o trabalho do fotógrafo" - que recentemente teve mostras individuais nos museus J.Paul Getty e de Los Angeles (LACMA), nos EUA -- "aparentemente censurado" por instituições como Serralves, numa base exclusivamente "moral", lê-se na carta. O pedido de demissão de João Ribas, na sequência das restrições impostas pelo conselho de administração da Fundação de Serralves, terá sido apresentado na sexta-feira pelo diretor do museu, que alegou não ter mais condições para se manter à frente da instituição, como disse ao jornal Público.

No sábado, o jornal Público noticiou que João Ribas pediu a renúncia do cargo de diretor do Museu de Serralves, depois de a administração da Fundação ter limitado a maiores de 18 anos uma parte da exposição dedicada ao fotógrafo norte-americano Robert Mapplethorpe, comissariada por Ribas, tendo sido retiradas obras com conteúdo sexualmente explícito - inicialmente foram anunciadas 179 fotografias. A exposição foi inaugurada na passada quinta-feira.

A carta dirigida à presidente da Fundação de Serralves recorda que Robert Mapplethorpe se tornou uma figura canónica da arte norte-americana do final do século XX, com o seu trabalho elogiado pelas formas como explora temas de erotismo, sexo e sexualidade, enquanto realiza experimentações do meio e da linguagem da fotografia.

Apesar das muitas exposições e páginas de estudos dedicados ao trabalho de Mapplethorpe, as imagens do fotógrafo norte-americano estiveram no centro das designadas "Guerras Culturais" dos EUA, nas décadas de 1980 e 1990, tendo então sido usadas por políticos conservadores, para pedir o fim do financiamento público das artes.

Os subscritores da carta lamentam por isso que as imagens continuem a ser vistas como ameaça à "moralidade" e à "decência". E contestam o facto de ter sido invocada legislação portuguesa para classificar como "pornográficas" algumas obras expostas. "Embora existam debates eruditos legítimos sobre as fronteiras entre arte e pornografia, estes não devem ser resolvidos com decisões executivas a censurar pelos Conselhos de Administração dos museus, devendo, em vez disso, continuar a ser explorados em toda a sua profundidade e complexidade nos espaços expositivos e em estudos críticos", defendem os signatários.

"Vivemos num momento de profunda incerteza política, com o surgimento do populismo de direita, o ultranacionalismo e as ameaças às liberdades artísticas e académicas", lê-se na carta aberta. "Nesse contexto, é profundamente lamentável que a Fundação de Serralves tenha perdido a oportunidade de defender os valores que deveriam tê-la sustentado como um lar para a cultura, o pensamento e a liberdade, e preferir sucumbir ao puritanismo moral e ao conservadorismo social", acrescenta a missiva.

A plataforma Artforum e os jornais El País, ABC e o 'site' The World News contam-se entre as publicações internacionais que têm noticiado a polémica em torno da exposição de Mapplethorpe, patente no Museu de Serralves, assim como a carta em subscrição.

Nas redes sociais, surgiram reações como as do fotógrafo Daniel Blaufuks, que cancelou uma visita guiada prevista à mostra, e do encenador e realizador de cinema Jorge Silva Melo, que escreveu na sua página do Facebook: "Pois é, Serralves: as administrações deveriam ser constituídas por pessoas 'maiores e vacinadas'. Até podem ter menos de 18, cá por mim. Mas 'maiores e vacinadas', se faz favor". Também David Santos, antigo diretor do Museu do Chiado, atual subdiretor-geral do Património Cultural, escreveu um comentário na sua página pessoal, em que se lê: "Serralves volta a revelar-se... Solidariedade com João Ribas!"

Num comunicado difundido no sábado, o Conselho de Administração da Fundação de Serralves disse que "não retirou nenhuma obra da exposição", composta por 159 fotografias, "todas elas escolhidas pelo curador", João Ribas. Hoje, à entrada de uma das salas da exposição, está uma placa com a indicação: "Dado o caráter sexualmente explícito de obras expostas nesta área, o acesso à mesma é reservado a maiores de 18 anos e a menores acompanhados dos respetivos representantes legais".

Contudo, num primeiro aviso, afixado no mesmo local, no final da semana passada, lia-se: "Alertamos para a dimensão provocatória e o caráter eventualmente chocante da sexualidade contida em algumas obras expostas. A admissão nesta sala está reservada a maiores de 18 anos". De acordo com a Inspeção Geral das Atividades Culturais (IGAC), "as exposições de arte não carecem de classificação etária".

A administração da Fundação de Serralves anunciou hoje um encontro com a imprensa, a realizar na quarta-feira.
Desde a inauguração, na quinta-feira passada, até domingo, a exposição de Serralves dedicada a Robert Mapplethorpe recebeu perto de 6.000 visitantes, adiantou hoje à Lusa fonte da instituição.