Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Uma espécie de festa livreira

A Feira do Livro do Porto mudou-se para o Palácio de Cristal e deixou de contar com a presença dos grandes editores

Foto Miguel Nogueira

A Feira do Livro do Porto deixou de ter os às vezes sufocantes pavilhões das grandes casas editoras, para se transformar num importante polo dinamizador do comércio livreiro local e de pequena escala

Ao deambular há dias pela Feira do Livro do Porto tropecei em dois livros fantásticos e a preços condizentes com a expectativa gerada por estes espaços de encontro anual dos leitores com. O ponto final colocado de forma a terminar a frase abruptamente pretende sinalizar um corte. Uma forma de assinalar a diferença radical entre as Feiras do Livro de Lisboa e do Porto. A situação tem passado despercebida, embora a vivência prática de cada uma desta iniciativas esteja a consagrar duas abordagens diferentes de aproximação ao livro.

No momento da compra de uma esplêndida fotobiografia de Bocage, e da poesia completa de Mário Dionísio, ambas no pavilhão da Imprensa Nacional Casa da Moeda, impôs-se-me um facto que, sem ser novo, constitui em si mesmo uma novidade no modo como no Porto está a ser trabalhada esta espécie de festa livreira.

Para melhor se perceber, será necessário recuar cinco anos. Em 2013, no final do mandato de Rui Rio como presidente da Câmara Municipal do Porto, a feira não se realizou. Um desacordo insanável entre a autarquia e a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros a propósito das verbas a atribuir, levou a uma atitude de força dos livreiros. Com o pretexto de não haver financiamento suficiente, desde logo por Rui Rio ter decido cancelar o tradicional subsídio de 75 mil euros, as editoras deixaram a segunda cidade do país sem Feira do Livro.

A feira é agora o espaço das livrarias e do encontro com os seus leitores

A feira é agora o espaço das livrarias e do encontro com os seus leitores

FOTO LUCÍLIA MONTEIRO

Com a chegada de Rui Moreira ao Executivo nada se alterou na relação entre as suas entidades, ao ponto de a autarquia, pela voz do então vereador da Cultura, o já falecido Paulo Cunha e Silva, ter decido avocar a realização do certame. Até hoje.

Quatro consequências imediatas resultaram desta opção. A feira mudou de local. Passou da Avenida dos Aliados, no coração da cidade, uma zona muito frequentada e com grande oferta de transportes públicos, para o Jardim das Tílias, no Palácio de Cristal.

Mudou de data. Deixou de realizar-se em junho, quase sempre após a feira de Lisboa, e transferiu-se para meados de setembro. Abdicou de antecipar o verão, com todo o volume de compras que daí poderia decorrer devido à proximidade das férias, para apostar no final da estação.

Deixou de contar com a presença de pavilhões próprios das principais editoras portuguesas, concentradas nos dois grandes grupos Porto Editora e Leya. Decorre daqui a ausência de estruturas como a Assírio & Alvim, Temas & Debates, Círculo de Leitores, Livros do Brasil, Bertrand, Quetzal, Editorial Caminho, Dom Quixote, Oficina do Livro e outras. O extremar de posições chegou ao ponto de, na primeira edição organizada pela CMP, em 2014, ter sido noticiado o facto a Porto Editora e a Bertrand não terem permitido a venda de livros seus na feira.

A última e não desprezível consequência é que conquistou uma identidade muito própria. À ausência dos gigantes livreiros são contrapostas as condições únicas criadas para que as livrarias, alfarrabistas, cooperativas, pequenos grupos editores passassem a ter ali um espaço de afirmação.

Mesmo que não tenha sido essa a ideia inicial, a Feira do Livro do Porto deixou de ter os às vezes sufocantes pavilhões das grandes casas editoras, para se transformar num importante polo dinamizador do comércio livreiro local e de pequena escala.

José Mário Branco foi o homenageado este ano

José Mário Branco foi o homenageado este ano

FOTO MIGUEL NOGUEIRA

De uma forma ou outra, as principais editoras tiveram de render-se. Se hoje dão como adquirido que com o atual modelo não faria sentido a sua participação, também perceberam que não poderiam deixar de estar presentes e os seus livros aparecem agora distribuídos por diferentes expositores, conforme as especificidades de cada um.

Na verdade, quem ganhou foi o pequeno comércio livreiro. Desde logo porque a autarquia assume uma parte considerável da despesa com a montagem, desmontagem e manutenção dos pavilhões, e cobra valores bem mais modestos do que os que eram praticados pela APEL. Acresce que as editoras estão a proporcionar às livrarias condições muito especiais, de modo a ficarem habilitadas a praticar descontos próprios de uma Feira do Livro.

E os leitores? Será a pergunta final. Ganharam uma visão porventura diferente e alternativa. No ambiente aprazível do Jardim das Tílias não se confrontam com a presença, por vezes esmagadora, dos pavilhões das grandes editoras. Quando hoje persiste um triunfo global da grande escala, ali a vantagem está na pequena escala. No encontro mais distendido com as livrarias que, afinal, fazem parte do seu quotidiano. Entre os 134 participantes com 130 pavilhões deixou de imperar uma certa agressividade comercial caucionada pela venda do livro, para ganhar terreno uma programação apostada em proporcionar uma grande diversidade cultural, com exposições, debates, conferências, ciclos de cinema, arte urbana, concertos.

A feira tem apresentado um intenso programa cultural e lúdico

A feira tem apresentado um intenso programa cultural e lúdico

FOTO LUCÍLIA MONTEIRO

Porventura irá menos gente à feira, por ter deixado de ser um local por onde se passa, mesmo ocasionalmente, para ser um local onde se decide ir. Talvez haja uma menor presença de escritores, por força da ausência dos principais editores com pavilhão próprio. Ainda assim, só este ano, em debates ou conferências, foi possível ter, entre outros, Mário de Carvalho, Ana Margarida de Carvalho, Afonso Cruz, José Eduardo Agualusa (um dos programadores da feira), José Riço Dentinho, Rui Tavares, António Mega Ferreira, Ana Luísa Amaral, que esta quinta-feira participa numa sessão sobre “A ideia de América na poesia americana”, Pedro Eiras, Luísa Costa Gomes e, claro, José Mário Branco, o homenageado com uma tília naquele jardim por onde os livros se passeiam à procura dos sonhos que amanhecem. Sem amarras, nem proibições. Porque “É proibido proibir”, como se perceberá na sessão especial de hoje das Quintas de Leitura.