Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Morreu o ator Burt Reynolds aos 82 anos

Herbert Dorfman/Getty

O ator norte-americano morreu esta quinta-feira, num hospital do Estado da Flórida. Burt Reynolds é uim nome incontornável no cinema, tendo feito alguns dos seus mais famosos filmes nas décadas de 1970 e 1980

Burt Reynolds, ator norte-americano protagonista em filmes como "Boogie Nights" e " Cannonball Run", morreu esta quinta-feira aos 82 anos.

Há muitos anos que Reynolds tinha vindo a desenvolver vários problemas de saúde e também já tinha dado entrada em clínicas de desintoxicação por ter desenvolvido problemas de dependência de drogas. Morreu de paragem cardíaca.

Em 2010 Reynolds tinha sido levado para o hospital de urgência para uma cirurgia de inserção de um “bypass” tendo dito mais tarde à revista PEOPLE que não tinha ideia que as suas artérias estavam tão entupidas. “O meu médico disse que tinha que colocar um bypass imediatamente. Fui para casa, fiz a barba e fui para o bloco operatório a seguir”, disse o ator que se tornou uma estrela por conseguir misturar sempre um ar de “macho alpha” com os maneirismos de um tipo brincalhão e acessível.

Na sua infância, o jovem Reynold sofreu bastante às mãos do seu pai, que era polícia em Riviera Beach. “Ainda me lembro do ritmo das chicotadas do meu pai com o cinto”, havia de contar mais tarde em um dos muitos programas de entrevistas nos quais participou. A sua biografia, nota a mesma revista, foi, em grande medida, feita assim, de aparições nos chamados “late night shows”, uma tradição da televisão norte-americana. Outra das suas frases famosas, agora recuperada para o seu obituário, também é sobre o seu pai: “Nenhum homem é um homem até o seu pai lhe dizer que o é. E o meu nunca mo disse”.

O “Marlon Brando II”, algumas pessoas assim lhe chamavam por ter notórias parecenças físicas com o galã, começou a carreira ainda nos anos 50, em westerns como “Gunsmoke”. Mas foram as páginas centrais da revista Cosmopolitan que o trouxeram para a fama. Na fotografia, de página inteira, aparece deitado só com cuecas.

Em Setembro de 2009, Reynolds deu entrada numa clínica de reabilitação para pessoas com problemas de dependências de droga. “Senti que, apesar de supostamente ser um tipo crescido, não conseguia vencer sozinho o vício em medicamentos sozinho”, disse na mesma entrevista de vida concedida à PEOPLE.

A primeira vez que o seu nome apareceu nos créditos foi em 1958, na série “Flight”. Ao longo da sua carreira apareceu em outras séries, como ator convidado, como “Alfred Hitchcock Presents,” “Perry Mason” ou “The Twilight Zone”. Em um dos seus filmes mas marcantes, “Smokey and the Bandit”, conheceu Sally Fields, a atriz norte-americana a quem ele, até ao fim da vida, chamou “o amor da sua vida”, apesar de se terem separado.

O seu último filme “Defining Moments”, será lançado em dezembro de 2018. Quando morreu estava a filmar “Once Upon a Time in Hollywood” com Brad Pitt, Margot Robbie e Leonardo DiCaprio. O filme conta a história de Charles Manson e do seu reinado de terror. Deverá sair em 2019.