Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Morreu Júlio Pomar, o artista que fez o pleno

António Pedro Ferreira

Há artistas cuja importância está ligada a um momento específico da história da arte. Outros distinguem-se por conseguirem dar sucessivos impulsos à obra ao longo da vida. Júlio Pomar, que faleceu esta terça-feira em Lisboa, aos 92 anos, fez o pleno

Celso Martins

Personagem fundamental da pintura neorrealista portuguesa, que ajudou a definir desde 1945, Pomar construiu, depois, a partir de meados dos anos 50, uma obra marcada pela metamorfose formal e pela abrangência temática. Gente do seu tempo, figuras mitológicas, acontecimentos, histórias e os seus escritores, ideias, corpos. Aparentemente, pintou tudo e de muitas maneiras, com humor e acutilância e assim, como poucos, ajudou a configurar o imaginário visual português da segunda metade do século XX.

Nascido em Lisboa em 1926, frequenta ainda adolescente a Escola António Arroio e a Escola de Belas-Artes de Lisboa que trocará, em 1944, pela do Porto. É num contexto de militância política que participa na aventura do neorrealismo, um movimento empenhado na transformação social e na luta contra a ditadura (que o prende em 1947) cujos modelos estéticos se filiam mais evidentemente no muralismo mexicano de Orozco e Siqueiros ou no regionalismo do americano Thomas Hart Benton do que no realismo socialista soviético. A produção desses anos, em que expôs nas Exposições Gerais de Artes Plásticas (1945-56), inclui algumas das obras mais marcantes como o “Gadanheiro” (1945) quadro-manifesto do neorrealismo ou “O almoço do trolha” (1946-50) e é acompanhada por uma especulação teórica continuada (iniciada no suplemento Arte do jornal A Tarde em 1945) que, em grande medida, definir os contornos do movimento para além do realismo “imitativo”, na recusa da abstração e em favor de uma pintura que fosse uma linguagem rica e expressiva mas socialmente comprometida.

A sua pintura começa a afastar-se do programa neorrealista em meados de 50, libertando o gesto pictórico e diversificando as temáticas o que não exclui definitivamente a erupção do popular e do social. Os anos 60 ficam marcados pela sua partida para Paris (1963) e por um conjunto de séries como as “Tauromaquias” e “Les Courses” (Corridas de Cavalos) onde se exprime uma figuração mais fluída e dinâmica repleta de sobreposições cromáticas. Uma outra metamorfose nos espera no final da década com os ciclos dedicados ao Rugby e ao Maio de 68 nos quais predominam as formas sintéticas quase abstratas que se manifestarão ainda, e de forma diferente, nos corpos fragmentados e nos retratos dos anos 70. Outros caminhos são depois explorados através da incorporação continuada da colagem em desconstruções eróticas e pela recorrência da figura do tigre.

A literatura, que esteve sempre presente através da prática da ilustração, ganha nova predominância na década de 80: os universos de Baudelaire, Pessoa, Poe ou a mitologia, mas também os índios xingu da amazónia, com quem convive uma temporada, entram na sua pintura em tons feéricos e linhas vibrantes. Esta estética inconfundível vai ampliar-se em formato e alcance em pinturas dos anos 90 e já do século XXI, assimilando ou retomando referências tão diversas como a Odisseia, Frida Kahlo, Lewis Carroll ou D. Quixote. Simbolicamente, o início dos anos 90 fica ainda marcado pela realização do retrato oficial do presidente Mário Soares que se destaca pela sua informalidade. No caso de Pomar, porém, falar da pintura é contar só parte da história. A sua produção estende-se abundantemente a áreas como o desenho, ilustração gravura, cerâmica, escultura e “assemblage” para além da arte pública (Por ex. o cinema Batalha, no Porto; a estação de metro do Alto dos Moinhos em Lisboa, mas também intervenções em Brasília ou Bruxelas), do ensaísmo e da poesia.

Nas últimas décadas a sua obra foi sendo profusamente reexaminada: a Fundação Gulbenkian dedicou-lhe uma retrospetiva em 1978. Uma exposição antológica itinerou pelo Brasil em 1990. “Autobiografia” (Museu Berardo, Sintra) e a “A Comédia Humana” (CCB) mostraram-se em 2004 e, em 2008, foi a vez de Serralves apresentar “Júlio Pomar: cadeia da relação”.

Mais recentemente, vem sendo revisitado em diálogo com artistas de gerações posteriores (de Julião Sarmento a Rui Chafes ou Igor Jesus) no atelier-museu Júlio Pomar, em Lisboa, com uma naturalidade que ajuda a perceber porque a sua obra se mantém relevante tantas décadas depois do seu início.

Ao mesmo tempo, foram-se sucedendo as distinções: em 1993 é lhe atribuído o prémio AICA; em 2000, o prémio Celpa/Vieira da Silva e, em 2003, o Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso. As condecorações incluem a Grã-Cruz da ordem do mérito; a Ordem da Liberdade, em 2004. A França tornou-o cavaleiro da ordem das artes e das letras no mesmo ano.

Agora que se conclui, um olhar retrospectivo sobre esta obra ajuda a entender como ela permaneceu fiel a um conjunto de condições (a figuração, a consciência do mundo, o alimento literário) ao mesmo tempo que se ia abrindo estilisticamente a uma multiplicidade de contaminações sem nunca perder a sua identidade essencial nem o lugar central que há muito possui no panorama artístico português.

  • “Sou um bocado canibal”: Júlio Pomar 1926-2018

    Foi uma conversa de vida sem direito a pausas: em março de 2017, Júlio Pomar explicou-se numa longa e fundamental entrevista em que dizia coisas sobre nós todos: “Estamos sempre a fazer autorretratos, queiramo-lo ou não...” - assim mesmo, com reticências no fim. Neste 22 de maio de 2018 em que Portugal perdeu um dos seus artistas mais ilustres, o Expresso republica um artigo que ajuda a compreender porque Júlio Pomar viveu de maneira diferente. Tinha 92 anos

  • Júlio Pomar 1926-2018: “Naquela altura era quase instintivo ser comunista”

    Esteve preso quatro meses. Fez o retrato dos companheiros de cela. Mas quando se deu a revolução estava já afastado da atividade política, dedicando-se muito mais à vida artística e cultural, que vivia intensamente em Paris, onde estava desde 1963. Disse que depois olhou com outros olhos para um tempo em que não percebia quem não era do PCP. No dia da morte de Júlio Pomar, que tinha 92 anos, republicamos um artigo que saiu originalmente no Expresso em abril de 2014

  • Cruzeiro Seixas: “Júlio Pomar era um grande pintor”

    O pintor e poeta Cruzeiro Seixas, considerado o último surrealista vivo português, atualmente com 97 anos, conheceu Júlio Pomar ainda adolescente na escola António Arroio. E recorda-o nesses primeiros tempos como um tipo “reservado”, “que não dava conversa a ninguém” e “não cultivava a beleza física”. Há cinco anos, Pomar convidou Cruzeiro Seixas para celebrar o seu aniversário numa viagem de barco no Douro. “Trocámos poucas palavras, mas o passeio foi muito bonito”