Siga-nos

Perfil

Expresso

Passes sociais: a solidariedade não exclui os pobres de Lisboa e Porto

O apoio aos passes sociais de quem vive nas periferias de Lisboa e do Porto é um apoio aos mais pobres. Gastam três horas por dia a chegar e ir para o trabalho e são obrigados a despender uma parte muito substancial dos seus magros rendimentos para se deslocarem todos os dias. O país tem para com eles o mesmo dever de solidariedade que tem para com que quem vive em zonas de difícil acesso

Na Área Metropolitana de Lisboa há quase cem títulos de transporte. Com o fim dos passes sociais, multiplicaram-se passes de geometria variável que só compensam para movimentos pendulares e que atingem preços exorbitantes. Em Sintra, o passe que dá para CP, Scotturb, Carris e Metro chega aos 146 euros mensais. Para quem viva em Palmela, o passe que inclui a Fertagus, Carris, Metro e TST é mais do que 170 euros. Quando sabemos que quem vive nas periferias mais distantes e usa os transportes públicos são as pessoas com menos recursos percebemos que estamos perante preços proibitivos. Ainda por cima, em muitos casos, em troca de maus serviços.

O preço do Passe L123 é de 70 euros e a maioria dos passes intermodais está acima dos 50 euros. Segundo um inquérito divulgado pela Câmara Municipal de Lisboa (de onde vêm estes dados que aqui deixo), a população residente na Área Metropolitana de Lisboa está disponível a pagar 33 euros. A enorme diferença entre o que as famílias podem pagar e o preço praticado tem este resultado: os passes que custam mais do que 70 euros deveriam abranger 34% da população de Lisboa, apenas são usados por 1% e correspondem a 5% das vendas. Os passes são demasiado caros. E são demasiado caros para quem vive mais longe do centro, geralmente mais pobre, que mais precisaria deles e que menos os usa.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido