Siga-nos

Perfil

Expresso

Olha, somos a Grécia

Somos a Grécia porque vivemos no mesmo planeta que irremediavelmente destruímos, porque a Europa mediterrânea está na linha da frente dos efeitos do aquecimento global e porque chegámos historicamente atrasados ao desenvolvimento

“Em 2011 imitámos a bancarrota grega de 2010. Agora são os gregos que nos seguem na tragédia assassina dos incêndios descontrolados – muitas dezenas de mortos, autoridades a agirem sem tom nem som, populações abandonadas, enfim... Portugal não é a Grécia, dizia-se, e foi verdade durante uns anos. Agora é mais difícil não voltar a reconhecer semelhanças indesejáveis.” Este canhestro aproveitamento partidário dos incêndios na Grécia não me chocam pelo mau gosto. Chocam-me porque é provável que o deputado Carlos Abreu Amorim acredite mesmo que em quatro anos se dissipam, ainda mais com medidas de austeridade que obviamente fragilizam os serviços públicos, velhos problemas estruturais do território e do Estado e novíssimos problemas climatéricos. Deve ser fácil pensar assim. Talvez neste post esteja resumida todo o simplismo ideológico que dominou o discurso político do anterior governo. Abreu Amorim funciona como uma espécie de tradutor do primarismo político para uma versão ainda mais primária.

Nádia Piazza, presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande e membro da comissão de programa do CDS (por mais respeito que nos mereça o sofrimento individual de cada um, quando as pessoas têm intervenção política o seu comprometimento partidário não deve ser ignorado), seguiu aqui no “Expresso”, de forma muitíssimo mais elegante e cuidadosa, o mesmo raciocínio, apenas menos oportunista do ponto de vista partidário: há um qualquer atraso cultural no sul que nos leva ao “desleixo” (uma expressão que ignora as condições em que as escolhas são feitas).

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • O fogo arde onde há desleixo: ardeu a pobreza de Pedrógão, ardeu a riqueza de Mati

    À esquerda Pedrógão em 2017, à direita a Grécia hoje: o horror das chamas não discrimina nem tem piedade. Como ler e ver a tragédia de Mati, que matou pelo menos 74 pessoas esta terça-feira, sem passar novamente pela mágoa profunda que silenciou Portugal há pouco mais de um ano? Nádia Piazza, presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, escreve para o Expresso Diário com a propriedade da dor de quem sabe como o fogo nos leva o mais querido: no caso, um filho de cinco anos

  • Caos urbanístico e ausência de planos de emergência: 74 mortos e 187 feridos

    Uma catástrofe de “proporções bíblicas”, uma “tragédia indizível”, comparável à destruição de Pompeia pelo Vesúvio e aos incêndios de Pedrógão Grande no verão passado. As reações aos fogos mais devastadores em mais de uma década na Grécia têm sido profundamente emotivas. Para sempre ficará a imagem relatada de 26 pessoas unidas num abraço derradeiro. Balanço provisório: 74 mortos e 187 feridos