Siga-nos

Perfil

Expresso

Póvoa Semanário

Tarifa da água deve descer até ao Verão

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim está preparar um novo tarifário que irá beneficiar quem gasta menos de 15 metros cúbicos por mês.

Póvoa Semanário

A tarifa da água para os munícipes da Póvoa de Varzim que gastam menos de 15 metros cúbicos por mês poderá sofrer uma "visível redução" ainda antes do Verão.

A garantia foi dada na passada quinta-feira por Macedo Vieira, presidente da autarquia poveira, no final da Assembleia Municipal local. A redução ocorrerá na sequência de um novo modelo de tarifário que a Câmara Municipal está a preparar, e que passará a contar com três escalões, de acordo com o modelo proposto pelo Instituto Regulador de Águas e Resíduos (IRAR).

"Através do novo tarifário que estamos a ultimar, seguindo o modelo proposto pelo IRAR, a factura final da água, em princípio, vai baixar para as pessoas que gostam menos de 15 metros cúbicos e aumentar para quem consome mais", começou por revelar o edil, acrescentando: "Este tarifário é mais justo e alivia a carga de quem gasta menos e penaliza quem gasta mais, pois a água é um bem escasso".

Macedo Vieira detalhou que o novo modelo de tarifário em estudo continuará a ter uma taxa fixa, relativa à salubridade, e uma parte variável correspondente aos resíduos, que aumenta em consonância com a metragem de consumo da água.

O autarca garantiu ainda que haverá descontos para as famílias que comprovem ter carências económicas, numa verba que será suportada com um rubrica especial criada para o efeito no orçamento autárquico.

Ainda assim, Macedo Vieira afirmou que "estão a ser estudados modelos para que não haja uma redução ou aumento da receitas da autarquia".

No que toca às perdas da água na rede, o presidente da Câmara garantiu que estão ser desenvolvidos esforços no sentido de diminuir os números.

"Estamos a apertar a fiscalização e a fazer a substituição de milhares de contadores, instalando novos equipamento que permitem a leitura óptica, para quando as pessoas não estão em causa ou não abrem a porta aos nossos funcionários".

Com esta actualização das contagens, a autarquia já conseguiu apurar "40 mil metros cúbicos mal parados".

"Sou um defensor dos direitos dos cidadãos, mas é necessário exigir também os seus deveres e havia muita gente que enganava a autarquia. Temos de rigorosos", disse Macedo Vieira.