Siga-nos

Perfil

Expresso

Jornal Nordeste

Da arte rupestre à modernidade

Em viagem por uma estrada sinuosa, a vista contemplada a partir do Miradouro do Colado inspira e comove até o mais insensível dos seres. Encostas íngremes mergulhadas em águas durienses e colinas verdejantes, recortados por tonalidades azuis celestes, envolvem o colorido aglomerado de habitações que se funde com a própria paisagem. Mazouco, a 12 quilómetros de Freixo de Espada à Cinta, ergue-se na margem direita do rio Douro, a meio de um profundo vale rodeado pelos montes Barreiro, Covas e Juncal do lado português e pelo Godim em Espanha.  

Jornal Nordeste/Sandra Canteiro

A freguesia, com cerca de 240 habitantes, guarda um dos mais importantes exemplos de arte rupestre do Paleolítico Superior em Portugal. O "Cavalo de Mazouco", assim conhecida por retratar na perfeição este animal, é considerada uma das imagens de arte rupestre mais bonitas ao ar livre em todo o Mundo, tendo sido a primeira a ser identificada na Europa.

A esta beleza ímpar e inigualável se deve o constante fluxo de curiosos ao lugar do "Carneiro", nas margens do rio Douro, onde se encontram quatro gravuras sobre uma parede xistosa, em que, apenas, a figura do cavalo se encontra completa.

"Recebemos muita gente para visitar as gravuras rupestres e pensamos avançar com um projecto para a criação de percursos pedestres associados a este património", explicou o presidente da Junta de Freguesia de Mazouco (JFM), Manuel Andrade.

Um conjunto de vestígios que comprova que aquela localidade é habitada desde tempos remotos. Acredita-se que terá sido povoado pelos Godos, aquando da sua fixação na Península Ibérica, sendo que já os nómadas primitivos teriam estado alojados em cavernas nas proximidades da aldeia.

Autarquia pretende construir um mini-lar com capacidade para 12 utentes

Devido à avançada idade da maioria da população da freguesia, os habitantes reclamam a criação de um equipamento que preste apoio aos idosos. Assim sendo, a JFM prevê avançar com a construção de um mini-lar.

"O projecto está pronto e só estamos à espera que abra o período de candidaturas para podermos arrancar", informou o responsável.

Com capacidade para 12 utentes, o equipamento integrará, ainda, a valência de Centro de Dia.

"Numa primeira fase, só acolherá 12 pessoas, mas posteriormente ponderamos alargá-lo, uma vez que a nossa população é muito idosa", sublinhou Manuel Andrade.

 

Veja mais aqui