Siga-nos

Perfil

Expresso

Gazeta das Caldas

Crianças e ministro da Agricultura visitaram exploração leiteira em Valado dos Frades

Comemorou-se no passado dia 9 de Junho o Dia Nacional da Produção de Leite, uma iniciativa da Associação dos Produtores de Leite de Portugal (APROLEP), que este ano organizou visitas de estudo a vacarias de Valado dos Frades e Maia na qual participaram 200 alunos.

Gazeta das Caldas / Joana Fialho

No concelho da Nazaré uma centena de crianças da Escola Básica do 1º ciclo de Valado dos Frades teve a oportunidade de visitar uma exploração leiteira localizada na Quinta do Campo. A acompanhá-las esteve o ministro da Agricultura, António Serrano, que salientou o grande objectivo das comemorações do Dia Nacional da Produção de Leite: "chamar a atenção de toda a sociedade, e também das cadeias de distribuição, para a necessidade absoluta de que os nossos produtos nacionais, nomeadamente o leite, possam ter um preço mais justo". É que se assim não for, garante o governante, "estas explorações não são viáveis".

Numa visita guiada por produtores e técnicos, as crianças de Valado dos Frades ficaram a saber como se produz o leite que bebem todos os dias e de que cuidados beneficiam as mais de 400 cabeças de gado que a Granja do Valado - como se designa exploração visitada - tem actualmente. Mas mais importante, levaram para casa o recado de que é o leite português que os seus pais devem procurar nas prateleiras dos supermercados.

Porque é de pequenino que se aprendem e se ganham alguns hábitos, António Serrano afirmou durante a visita que "esta é uma iniciativa muito boa, com carácter pedagógico" porque, ao mesmo tempo que põe as crianças em contacto com o mundo rural e as sensibiliza para a importância do leite numa alimentação equilibrada e para uma vida saudável, lhes dá a conhecer "uma exploração de produtores que procuram fazer o melhor, que é levar o melhor leite que temos em Portugal para as nossas prateleiras".

Sendo ainda um projecto-piloto da APROLEP, o Dia Nacional da Produção de Leite pretende "dar visibilidade à produção de leite, através de uma iniciativa simples" como abrir as portas de uma exploração leiteira, explicou Carlos Neves, o presidente da Associação. E se este ano a acção decorreu em duas explorações, a vontade da APROLEP é que para o ano dezenas de produtores de leite mostrem as suas explorações e "dêem a cara pelo seu produto".

Para Carlos Neves é preciso que se sensibilize a sociedade para o facto de que "o leite português é um leite de qualidade". Quanto à necessidade de se fixar um preço mais justo, o responsável pela associação defende que "ninguém compra o leite estrangeiro por ser melhor, mas por ser mais barato".

Uma associação para dar a volta à crise

As comemorações do Dia Nacional da Produção de Leite inserem-se numa série de iniciativas que a APROLEP pretende levar a cabo para valorizar o leite português, para inverter a actual situação de prejuízo diário dos produtores. "O preço médio em Março foi de 27 cêntimos por litro, enquanto um estudo recente aponta um custo médio de 37 cêntimos, o que significa para a globalidade dos produtores acumular um prejuízo aproximado de 500 mil euros em cada dia que passa", alerta a associação.

Formalmente constituída no passado mês de Março, e com sede administrativa em Alcobaça, a APROLEP reúne produtores de norte a sul do país. "Uma nova etapa na caminhada de um grupo de produtores de leite para enfrentar a grave crise que afecta o sector há quase dois anos e que continua sem solução à vista", apontam os responsáveis pela estrutura.

"Nascido na crise e amadurecido em acções de luta em defesa dos produtores e de toda a fileira do leite português", o grupo promete uma luta consistente e organizada pela valorização de "uma das poucas produções agrícolas em que Portugal é auto-suficiente".

"Não vendemos ilusões nem prometemos milagres", salientam, mas comprometem-se a defender, nas instâncias nacionais e comunitárias, "os produtores de leite de todo o território nacional, independentemente da sua localização, dimensão económica e entidade compradora". Além de um preço justo para o leite português, a APROLEP defende ainda que sejam estabelecidas regras claras para adaptar a produção às necessidades de consumo.

"Acreditamos no futuro da produção de leite em Portugal e vamos trabalhar para que ele seja mais justo e sustentado", garantem os responsáveis da APROLEP no site que usam como meio privilegiado de se darem a conhecer, em www.aprolep.pt.