Siga-nos

Perfil

Expresso

Gazeta das Caldas

Centro Escolar de Alvorninha pronto a tempo do novo ano lectivo

Hoje, as crianças de Alvorninha já não precisam de sair da sua freguesia para aprenderem a ler e a escrever, como aconteceu a D. José Policarpo, natural dali e actual Cardeal Patriarca de Lisboa, que iniciou os seus estudos básicos na Benedita.

Gazeta das Caldas / Joana Fialho

Na tarde do passado domingo, dia 20, D. José Policarpo presidiu à inauguração do novo Centro Escolar que vai acolher, já no próximo ano lectivo, mais de uma centena de crianças do pré-escolar e 1º ciclo do Ensino Básico. Uma festa abrilhantada pela Banda Filarmónica de Alvorninha e com a presença de elementos do Rancho Folclórico "Os Azeitoneiros".

Perante largas dezenas de pessoas, que não quiseram perder a oportunidade de ver como é a nova escola, o Cardeal Patriarca de Lisboa defendeu que "o futuro da nossa comunidade depende da paixão com que se faz a educação dos nossos jovens" e considerou o equipamento como "um ponto de viragem na sua educação".

Mesmo num Estado laico, não é raro assistir-se à bênção das novas infra-estruturas, como aconteceu no domingo, mas D. José Policarpo não deixou de fazer referência ao papel que os professores e educadores devem ter na formação dos mais novos. "Não exigimos que cada professor seja um catequista, mas que seja sensível à dignidade da vida humana", defendeu.

Já depois da festa, aquele dignatário da Igreja portuguesa, afirmou aos jornalistas que a colocação, ou não, de crucifixos nas escolas deve "ser vista com sentido de respeito pelas comunidades". E ainda que seja às comunidades que cabe a decisão de uma questão que tanta polémica tem levantado, tal nunca foi exigida pela Igreja, nem proibida pelo Estado,. O Cardeal Patriarca salienta ainda que "a dimensão religiosa faz parte da compreensão global da nossa cultura".

Representando um investimento de cerca de 2,5 milhões de euros, parte dos quais financiados por Fundos Comunitários, o Centro Escolar de Alvorninha teve a sua construção dificultada por um deslizamento de terras. Um percalço que atrasou as obras, aumentou o seu custo em cerca de 500 mil euros e obrigou a que a sua inauguração decorresse no final do ano lectivo e não no início, como aconteceu com os equipamentos de Nossa Senhora do Pópulo, Santo Onofre, Santa Catarina e Salir de Matos.

Ultrapassadas as dificuldades na sua concretização, o Centro Escolar de Alvorninha está agora preparado para acolher três turmas do pré-escolar e oito turmas do 1º ciclo. Este "centro educativo de excelência", como considerou o vereador da Educação do executivo caldense, Tinta Ferreira, vai entrar em funcionamento com duas turmas do pré-escolar e cinco do 1º ciclo já no próximo mês de Setembro, com crianças que vêm de escolas mais pequenas de vários pontos da freguesia.

Aos pais preocupados com a distância que as crianças terão que percorrer, o presidente da Câmara das Caldas da Rainha, Fernando Costa, garantiu que o serviço de transportes escolares está garantido e disse ter a certeza de que "quando as crianças estiverem nesta casa, terão uma formação reforçada que se vai repercutir em toda a sua vida".

Quadros interactivos, computadores e um refeitório são algumas das comodidades da nova escola que justificam a concentração das crianças, que assim passam todas a dispor das mesmas oportunidades. "Esta casa vai dar aos vossos jovens condições que vocês nunca tiveram", afiançou o autarca perante as pessoas que assistiam à cerimónia. Uma "mudança para melhor" também salientada por António Saloio, director do Agrupamento de Escolas de Santa Catarina. Que engloba o novo centro escolar.

Quanto ao investimento implicado pelo equipamento, Fernando Costa não hesitou em afirmar que "vale muito mais esta escola no progresso, que mais um quilómetro ou dois, um atraso nesta ou naquela estrada".

A "possibilidade que os filhos da terra vão ter de chegar mais longe" com esta escola foi também salientada pelo Director Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo, José Leitão. Ciente de que a inauguração do centro escolar é "mais um passo na modernização da rede escolar do concelho", o responsável pela Educação na região não deixou de salientar as obras a decorrem na Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro e as já concluídas na EB 2,3 D. João II, provas de que mesmo em tempo de crise "o Governo não deixou de investir na educação".

Virgílio Santos apontou nuvens negras sobre os serviços de saúde na freguesia

Quem também não faltou à inauguração do Centro Escolar foi o presidente da Junta de freguesia de Alvorninha, Virgílio Santos, que referiu que alguns dos pontos negros que há 16 anos (quando foi eleito) se verificavam na freguesia estão já resolvidos, pelo menos parcialmente. É o caso do apoio aos idosos e das infra-estruturas para a prática desportiva.

Resolvida que está também a necessidade, mais recente, de juntar as crianças em "espaços mais modernos, com outras capacidades pedagógicas", a freguesia debate-se agora com um novo problema, que é a falta de médicos na Extensão de Saúde local. Defendendo que "para a educação e saúde nunca pode haver falta de dinheiro", Virgílio Santos alertou para o facto de estar em causa o bem-estar de muitos cidadãos, numa freguesia de grandes dimensões e com população dispersa.

Às pessoas que assistiam aos discursos e aos diversos políticos que ali estavam, o presidente da Junta de Freguesia deixou um apelo: "espero que se houver necessidade de tomarmos outras medidas estejamos todos unidos".