Siga-nos

Perfil

Expresso

A vida de saltos altos

O "Sexo e a Cidade" por cá

Carrie, Charlotte, Miranda e Samantha são quatro amigas com um estilo de vida glamoroso que inspira muitas mulheres na vida real.

Liliana Coelho (www.expresso.pt)

Confesso que não percebo as críticas ao novo filme de "Sexo e a Cidade". Tal como a série e o filme anterior, já se sabe o que se deve esperar, quando se vai ver. Muita comédia, luxo e futilidade... e alguns temas sérios que marcam o universo dos saltos altos.

Durante as várias temporadas, demos gargalhadas com as histórias, paixões e contratempos do dia-a-dia de quatro amigas que representam diferentes personalidades da vida real. Habituámo-nos à intensidade da Carrie, à sedução da Samantha, ao romantismo da Charlotte e à obsessão da Miranda.

Quatro mulheres, que apesar dos obstáculos da vida, conseguem estar no seu melhor...e que, sobretudo, acabam sempre por conciliar os vários papéis sociais. No fundo, o sonho de qualquer mulher. Mas tudo isto tem como pano de fundo a Big Apple. Neste último filme viajamos também ao exótico e luxuoso Abu Dahbi. Mas e se "O Sexo e a Cidade" fosse em Lisboa? Já imaginou? Na verdade, não é difícil traçar um estilo de vida semelhante na capital portuguesa.

Aventuras em Lisboa...

As quatro amigas bem podiam viver no Chiado ou num duplex no Parque das Nações, comprar as grandes marcas na Avenida da Liberdade, jantar ou beber um cocktail no Hotel Ritz ou Sheraton. Na capital lusa, seria mais ou menos assim a vida destas mulheres. Uma minoria fora dos ecrãs, é certo. Na vida real, as marcas de luxo dão lugar à Zara ou à HM, os sapatos Manolo são "trocados" por outros mais modestos da Seaside ou da Bata, as malas caras são substituídas por outras da Parfois ou da Fantástico. É verdade, fora dos ecrãs a vida é bem mais simples seja em Lisboa ou em Nova Iorque.

Esta é mesmo uma das maiores críticas da saga "O Sexo e a Cidade" que continua neste último filme. Mas já se sabe que é assim - um produto que é sobretudo para divertir e distrair. Nada mais. E quando não é possível na vida real, porquê não sonhar? A sétima arte também serve para isso e não acredito que nem os mais cépticos ou mesmo os pseudo-intelectuais não o façam neste e noutros filmes.Acreditam?

Divirtam-se com um dos momentos mais hilariantes do filme...