Siga-nos

Perfil

Expresso

A vida de saltos altos

Miss USA: tu também podes ser uma estrela porno!

O concurso que em 1957 destituiu Mary Leona Gage do título nacional, por ser casada, é agora muito diferente.

Solange Cosme (sapato nº 39) (www.expresso.pt)

O concurso para Miss USA é realizado desde 1952 e é a etapa dos Estados Unidos da América para poder seleccionar a representante deste país para o concurso de Miss Universo. O Miss USA foi criado em 1950 depois que Yolande Betbeze, vencedora do concurso rival Miss América, se ter recusado a posar para peças publicitárias da marca de bikinis Catalina. Em 1951, a empresa retira seu patrocínio à Miss América e esta passa a organizar seu próprio concurso, lançado no ano seguinte.

O Miss USA é considerado um Concurso Nacional de Beleza Feminina, onde são exaltadas não só as características físicas como, supostamente, também as intelectuais. Na verdade, todas nós temos a ideia desde pequenas que as Misses são mulheres lindas, bem comportadas, inteligentes, orientadas para objectivos de caridade e afeição. Parece que esta é a Beleza feminina...

Quem não se lembra da célebre "frase de miss" quando questionada sobre o seu objectivo na vida que é sempre algo como "acabar com a fome no mundo", "ajudar todas as criancinhas" ou ainda (a melhor de todas) "ajudar na Paz Mundial"?

Mas parece que os tempos mudam e as misses também.

As meninas boas vão para o céu, as más para Miss USA

O último concurso de Miss USA 2010 viu-se envolto em grande polémica, tudo porque decidiram dar uma "roupagem" diferente à apresentação das candidatas. De uma só virada acabaram com as fotografias em fato de banho de uma peça, e das poses das meninas alinhadas na beira da piscina. Agora a Miss USA é apresentada de gatas, com lingerie sexy, corpetes decotados e uns saltos de cair para o lado, ao que alguns americanos apelidaram de "Stripper Chic". Para alguns fãs do concurso de beleza, as imagens gritam sexo por todo o lado, estão completamente descontextualizadas dos valores iniciais do concurso e transmitem, às jovens americanas a mensagem que o sexo vende e que "tu também podes ser uma estrela porno".

O concurso que em 1957, destituiu Mary Leona Gage do título nacional por estar casada, é agora muito diferente.

Quando questionado sobre a polémica, o famoso empresário e milionário Donald Trump, dono da empresa que organizar o Miss Universo (e do qual o Miss USA faz parte), defende: "Estamos numa nova era. As fotografias estão um pouco sexys mas todos estão a ver o concurso", por isso parece não ter qualquer problema com isso!

Ora muito bem, se o Donald Trump não tem problemas e se as meninas estão felizes, afinal qual é o problema?

O problema é que (sabe-se lá porquê), quando o mundo inteiro está em crise, ainda há mais de cinco milhões de americanos que adoram ver este tipo de programas num domingo à noite!

Eu confesso que não sou particularmente fã destes concursos e continuo a achar que contribuem mais para degradar a imagem das mulheres bonitas do que para a sua exaltação. Mas já agora, fica a questão: sou só eu ou mais alguem vota para as nossas misses deixarem de ser um pãozinho sem sal? É que já que querem aparecer, façam-no com sensualidade e garra!