Siga-nos

Perfil

Expresso

A vida de saltos altos

Desamores mortos e um Sócrates ressuscitado!

Marta Ramalho (Sapato N.º 40)

Ultimamente tenho ouvido muitas histórias de amores resgatados... De amores ou paixões do passado, que quase esquecidos, voltam à vida 20, 30, 40 ou mais anos depois. E são histórias bonitas.

A história da mulher que aos 40 anos decide ir viver para Roma, sua terra natal, e descobre que ao cimo da rua para onde foi viver, vive a sua paixão de adolescência. Estão juntos desde esse dia. A da mulher que aos 50 anos, vendo-se traída pelo marido de sempre, encontra o seu namorado da primária e decide ir viver com ele para o Canadá. Ou ainda a história do homem casado que piscava o olho à senhora que ia no mesmo comboio de todas as manhãs e a volta a encontrar - já viúvo - e começa a namorar depois dos 60. Histórias de sentimentos que ficaram lá atrás e que num golpe do destino voltam a ser tão presentes que a vida que agora enche os personagens parece ser outra. 

Passados anos, qualquer que fosse o motivo ou motivos que impediam que aquela história terminasse bem já não existe. A história deles pode agora ser refeita e rescrita com personagens mais estruturados. E quando se fala de tempo e de destino, o "nunca" e o "para sempre" são palavras que só podem ser usadas nas histórias que não saem de páginas de livros. Isto são histórias bonitas. São histórias com vida.

E quando não acaba bem?

Ora, se acabou é porque alguma (ou muita) coisa não estava bem. Por isso é que acabou. E às vezes, quando acaba mal, há ofensas, injúrias, bater de portas, cenas desagradáveis e bocas foleiras que normalmente são sempre culpa do outro. Nós fizemos tudo pelo melhor e tentámos e não sei quê e fomos uns santinhos. Bah! Pode até ter sido assim, mas... Depois vem o luto pela perda. Para quem o faz, ele compõe-se de 5 fases: a negação, quando não acreditamos no que nos aconteceu e estamos em choque. A raiva, que vem da dor da nossa perda e esta pode não ter limites... Depois vem a negociação, quando achamos que uma série de "ses" podiam ter feito a diferença. E logo a seguir a depressão, quando caímos finalmente no presente e vivemos a nossa dor. Só depois deste processo vem finalmente a aceitação.

Mas e quando ele volta?

Quando um amor (ou desamor) que em tempos nos fez sofrer, regressa do seu sarcófago que para nós estava enterrado num túmulo (de França), a ferida abre-se  de novo.... Depois do luto feito, passo por passo, dolorosamente (às vezes durante anos), aceitá-lo de novo na nossa vida é uma questão de escolha pessoal. E há alturas na vida em que temos mesmo que mandar o destino dar uma curva e dizer que não queremos mais esses "amores".

Só que ele voltou! Voltou de lá... O Sócrates, senhores! O Sócrates voltou do túmulo cheio de ensinamentos para dar... Não que ele seja totalmente responsável pelo fim do namoro de tempos idos, porque não foi. Um namoro desfeito é sempre com culpa de ambos os lados. O problema é que o tempo ainda não fez o que devia ao nosso esquecimento e à nossa aceitação. O que é que ele poderá querer? Melhor, o que é que ele tem para dar?

É o destino?

Nesta história, em que o coitado do destino não tem culpa nenhuma, só me ocorre fazer o processo de luto todo de novo, em modo subversivo, porque esta história não é bonita nem vai acabar bem!

Não consigo acreditar que isto esteja a acontecer! De quem foi a santa cabecinha que pariu a ideia "iluminada" de trazer de volta este escroque?! Se ao menos neste país prendessem os corruptos e os intrujas... Agora, que ainda não me esqueci e que posso escolher em consciência, não vou ficar deprimida. Mas também não o vou aceitar. Isto não foi obra do destino e o meu "amor" por ele é para ficar no túmulo de onde ele saiu.

Vou começar a usar velas em casa. Este cumentador, perdão... comentador, está morto e não vai ter de mim, sequer, a minha taxa de contribuição para o audiovisual.

Autoras: Ana Areal, Liliana Coelho, Paula Cosme Pinto, Sofia Rijo, Solange Cosme

Editora: Plátano (coleção Livros de Seda)

Preço: 11,80€ em loja, 10,62€ se for adquirido via site da Editora Plátano

Páginas: 158

ISBN: 9789727708598

Saiba mais sobre o livro:

Um livro lançado... em Saltos Altos (vídeo e fotogaleria) Blogue mais feminino do Expresso chega às livrarias (vídeo)

A Vida de Saltos Altos também está presente no Facebook. Na página desta popular rede social qualquer um pode ser fã deste blogue. Clique para visitar.