Siga-nos

Perfil

Expresso

Vida na Terra

Deng Xiaoping e a abertura da Expo 2010 Xangai

No primeiro dia de abertura ao público da Expo 2010 em Xangai, é justo recordar o papel desempenhado por Deng Xiaoping, o "Arquitecto-Chefe" das reformas políticas, económicas e sociais que mudaram para sempre a face da China.

Alexandre Coutinho (www.expresso.pt)

Tal como nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, o empenho da China na organização desta exposição universal demonstra bem a vontade do seu Governo em oferecer ao Mundo uma imagem de modernidade, abertura e tolerância. Os seus símbolos - o emblema e Haibao, a mascote -, são retirados da escrita chinesa e baseiam-se nas palavras que significam "humanidade" e "pessoa". O lema escolhido - "Melhor Cidade, Melhor Vida" - lembra a necessidade de conjugar desenvolvimento urbano com respeito pelo ambiente.

Entre 1 de Maio e 31 de Outubro, os 528 hectares da Expo 2010 Xangai deverão receber mais de 70 milhões de visitantes. Um total de 192 países (praticamente todos os países do Mundo) e 50 organizações internacionais marcam presença em pavilhões próprios ou conjuntos. Também estão representadas 50 cidades, cujos projectos foram escolhidos como demonstração de "melhores práticas urbanas".

O investimento estimado para pôr de pé a Expo 2010 Xangai ascende a 4180 milhões de dólares, dos quais metade foram aplicados na construção das infraestruturas e dos pavilhões, alguns dos quais permanentes, como o da China, o centro de representações e espectáculos, o Expo Center e o Expo Boulevard.

Promover Xangai para rivalizar com Hong Kong (que serviu durante décadas de laboratório para o desenvolvimento do capitalismo chinês - "um país, dois sistemas") era o mais profundo desejo de Deng Xiaoping quando, em 1991, visitou a cidade e lançou as fundações para o seu ressurgimento.

Nos últimos 20 anos, Xangai registou o maior surto de crescimento da China, com uma população que ronda os 19 milhões de habitantes e uma densidade populacional que já ultrapassa, nalguns bairros, a de Tóquio ou Nova Iorque.

O cenário de arranha-céus visível em Pudong, na margem direita do rio Huangpu, espelha bem esta realidade. A Oriental Pearl Tower partilha o domínio dos céus da "Manhattan" de Xangai com a Jin Mao Tower - construída em forma de pagode futurista - e o World Financial Center - o terceiro edifício mais elevado do Mundo, com 492 metros de altura.

Naturalmente, este desenvolvimento não teria sido possível sem a abertura da China ao exterior, sem a entrada de investimento directo estrangeiro e sem a integração do país no mercado mundial. Mas é a política das Quatro Modernizações (Agricultura, Indústria, Ciência e Tecnologia e Defesa Nacional) implementada por Deng Xiaoping, a partir de 1978, que está na base do bem-estar da população chinesa.

Hoje, todos têm mais comida, roupas, casas, bens e riqueza do que alguma vez tiveram. Sob o regime de Mao Zedong era dito à população que a sua vida ficaria mais rica se se dedicasse ao trabalho. Agora, é incentivada a trabalhar para ficar mais rica.