Siga-nos

Perfil

Expresso

Diz que é uma espécie de austeridade expansionista ao contrário

A austeridade expansionista é um dos grandes mitos que ficam da crise da dívida na zona euro. O conceito não nasceu em 2010, foi muito antes disso, mas ganhou nova vida nessa altura e serviu para dar suporte teórico aos pesados programas de consolidação orçamental impostos aos países resgatados. Assentava em duas ideias fundamentais: a redução dos défices não tem necessariamente de ter um impacto negativo na economia e a composição da dose – entre diferentes receitas e despesas – é relevante para o resultado final. Um dos seus grandes ideólogos foi o economista italiano Alberto Alesina, professor em Harvard, nos EUA, que esteve no Ecofin de 15 de abril de 2010 em Madrid para apresentar a ‘narrativa’.

Alesina, que foi recentemente entrevistado pelo Expresso e recusou a paternidade da ideia, não foi o primeiro a debruçar-se sobre a possibilidade de existirem processos de consolidação orçamentais expansionistas, mas foi um dos que lhe deu mais expressão. Num artigo que publicou em 2010, em coautoria com Silvia Ardagna, concluiu que 26 dos 107 episódios de consolidação orçamental nos países da OCDE entre 1970 e 2007 foram expansionistas (entre eles três em Portugal - 1986, 1988 e 1995).

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)