Siga-nos

Perfil

Expresso

Economista poeta

O vencedor imediato

A decisão da Sonaecom de aumentar em um euro por acção o preço oferecido para comprar a Portugal Telecom tem um primeiro e incontornável vencedor: Henrique Granadeiro, presidente da PT. É à sua acção e da equipa que comanda que se deve o facto de Belmiro e Paulo Azevedo terem reconhecido que terão de desembolsar mais 1,2 mil milhões de euros do que aquilo que tinham pensado inicialmente para convencerem os accionistas da PT a venderem-lhes 50% mais uma acção da companhia.

O mais notável é que Granadeiro está há menos de um ano na presidência da PT e herdou uma empresa debaixo de uma OPA e com evidentes problemas internos, devido a uma estrutura pesada e muito onerosa, e externos, por causa de uma postura arrogante perante os clientes, a par de diversas ineficiências e de serviços prestados a um custo elevado. Em menos de 12 meses, Granadeiro tomou diversas medidas internas moralizadoras, tornou a empresa mais amigável para os clientes, resolveu o problema da PT em Angola e inverteu o descalabro da Vivo no Brasil e apresentou uma melhoria nos resultados, mesmo num quadro de governação muito difícil.

Mas é claro que, depois desta oferta, tudo indica que os grandes vencedores no final de toda a história acabarão mesmo por ser Belmiro e Paulo Azevedo. E o único desejo que se pode fazer é que a Sonaecom/PT sejam uma solução melhor para o país do que se se mantivessem separados o maior grupo empresarial português e a maior multinacional lusa.

Nicolau Santos,

Director-Adjunto